Pular para o conteúdo principal

SER VEGETARIANO : A SAÚDE E O AMBIENTE COMBINAM

577733

Ser vegetariano: a saúde e o ambiente combinam

Dietas mais saudáveis e ambientalmente sustentáveis podem ser o segredo para uma menor pegada de carbono e, quem sabe, viver mais tempo.
Sabia que há uma forma eficaz de reduzir a pegada de carbono no planeta? Tornar-se vegetariano. Um estudo vem mostrar que um regime alimentar baseado em alimentos de origem vegetal, além de revelar-se mais saudável, pode ser um regime mais sustentável reduzindo drasticamente a pegada de carbono. A análise do estudo é avançada pelo jornal britânico The Independent.
A investigação pertence a Marco Springmann, da Universidade de Oxford, e vem mostrar que um regime alimentar vegetariano pode reduzir as emissões dos alimentos em dois terços e salvar milhões de vidas – se as cerca de sete mil milhões de pessoas no mundo se tornassem vegetarianas era isso que aconteceria, calcula o investigador.
Cortar as carnes vermelhas, comer mais fruta e vegetais não se trata apenas de uma opção saudável. A carne, aliás, é uma das grandes preocupações ambientais e o corte no consumo é um dos grandes motores da mudança climática.
O estudo revela que uma dieta à base de vegetais e derivados, que vai igualmente ao encontro das directrizes da Organização Mundial de Saúde, pode evitar entre cinco a oito milhões de mortes por ano, até 2050. Estes números são equivalentes a uma redução de 6% a 10% na taxa de mortalidade mundial.
Outra questão está directamente relacionada com a pegada de carbono. A agro-pecuária, a produção de alimentos processados e o transporte desses produtos são maioritariamente movidos pela queima de combustíveis fósseis que, por sua vez, se transformam em gases de efeito de estufa que armazenam o calor na atmosfera. Os cientistas medem esse impacto em pegadas de carbono, expressas pelo volume de dióxido de carbono (CO2) produzido a cada 100 gramas de alimento. Estas emissões de gases com efeito de estufa, com a adopção de um regime vegetariano, também seriam reduzidas em mais de dois terços.
Contudo, as previsões não ditam um cenário risonho. Estima-se que menos de um terço das 105 populações incluídas neste estudo irá seguir o plano dietético recomendado. Isto significa que a população mundial em crescimento e a comer cada vez pior se vai traduzir num orçamento muito elevado a ser investido na redução do aquecimento global, que poderia ser minorada pelo referido vegetarianismo.
Springmann e a restante equipa de investigadores querem evitar a todo o custo as repercussões negativas dos maus hábitos alimentares desprovidos de consciência ambiental. Para tal construíram quatro tipos de dieta para mostrar os impactos ambientais e na saúde. São elas: uma dieta baseada em projecções dietéticas de 2050; uma dieta em directrizes globais com mínimos de frutas e legumes e limites para carnes vermelhas, açúcar e calorias; uma dieta ovolactovegetariana e uma dieta vegan.
Se a adopção de uma dieta com directrizes dietéticas globais pode evitar cerca de cinco milhões de mortes, as dietas vegetarianas e vegan aumentam esse número para sete a oito milhões de mortes que poderiam ser evitadas.
Os investigadores dizem ainda que se as mudanças forem aplicadas haverá mais vantagens na saúde das populações de países desenvolvidos, visto que a sua dieta é, por norma, mais desequilibrada deixando margem para melhores resultados.
Assim, se toda a população mundial se tornasse vegetariana o corte nas emissões de gases efeito de estufa seria de 63%, reduzindo a pegada de carbono. Se e, vez de vegetarianas, as pessoas se tornassem todas vegan essa redução subia para os 70%.
Fonte: Público  Life&Style
Foto: Rui Gaudêncio
577733


Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …