Pular para o conteúdo principal

SER VEGETARIANO : A SAÚDE E O AMBIENTE COMBINAM

577733

Ser vegetariano: a saúde e o ambiente combinam

Dietas mais saudáveis e ambientalmente sustentáveis podem ser o segredo para uma menor pegada de carbono e, quem sabe, viver mais tempo.
Sabia que há uma forma eficaz de reduzir a pegada de carbono no planeta? Tornar-se vegetariano. Um estudo vem mostrar que um regime alimentar baseado em alimentos de origem vegetal, além de revelar-se mais saudável, pode ser um regime mais sustentável reduzindo drasticamente a pegada de carbono. A análise do estudo é avançada pelo jornal britânico The Independent.
A investigação pertence a Marco Springmann, da Universidade de Oxford, e vem mostrar que um regime alimentar vegetariano pode reduzir as emissões dos alimentos em dois terços e salvar milhões de vidas – se as cerca de sete mil milhões de pessoas no mundo se tornassem vegetarianas era isso que aconteceria, calcula o investigador.
Cortar as carnes vermelhas, comer mais fruta e vegetais não se trata apenas de uma opção saudável. A carne, aliás, é uma das grandes preocupações ambientais e o corte no consumo é um dos grandes motores da mudança climática.
O estudo revela que uma dieta à base de vegetais e derivados, que vai igualmente ao encontro das directrizes da Organização Mundial de Saúde, pode evitar entre cinco a oito milhões de mortes por ano, até 2050. Estes números são equivalentes a uma redução de 6% a 10% na taxa de mortalidade mundial.
Outra questão está directamente relacionada com a pegada de carbono. A agro-pecuária, a produção de alimentos processados e o transporte desses produtos são maioritariamente movidos pela queima de combustíveis fósseis que, por sua vez, se transformam em gases de efeito de estufa que armazenam o calor na atmosfera. Os cientistas medem esse impacto em pegadas de carbono, expressas pelo volume de dióxido de carbono (CO2) produzido a cada 100 gramas de alimento. Estas emissões de gases com efeito de estufa, com a adopção de um regime vegetariano, também seriam reduzidas em mais de dois terços.
Contudo, as previsões não ditam um cenário risonho. Estima-se que menos de um terço das 105 populações incluídas neste estudo irá seguir o plano dietético recomendado. Isto significa que a população mundial em crescimento e a comer cada vez pior se vai traduzir num orçamento muito elevado a ser investido na redução do aquecimento global, que poderia ser minorada pelo referido vegetarianismo.
Springmann e a restante equipa de investigadores querem evitar a todo o custo as repercussões negativas dos maus hábitos alimentares desprovidos de consciência ambiental. Para tal construíram quatro tipos de dieta para mostrar os impactos ambientais e na saúde. São elas: uma dieta baseada em projecções dietéticas de 2050; uma dieta em directrizes globais com mínimos de frutas e legumes e limites para carnes vermelhas, açúcar e calorias; uma dieta ovolactovegetariana e uma dieta vegan.
Se a adopção de uma dieta com directrizes dietéticas globais pode evitar cerca de cinco milhões de mortes, as dietas vegetarianas e vegan aumentam esse número para sete a oito milhões de mortes que poderiam ser evitadas.
Os investigadores dizem ainda que se as mudanças forem aplicadas haverá mais vantagens na saúde das populações de países desenvolvidos, visto que a sua dieta é, por norma, mais desequilibrada deixando margem para melhores resultados.
Assim, se toda a população mundial se tornasse vegetariana o corte nas emissões de gases efeito de estufa seria de 63%, reduzindo a pegada de carbono. Se e, vez de vegetarianas, as pessoas se tornassem todas vegan essa redução subia para os 70%.
Fonte: Público  Life&Style
Foto: Rui Gaudêncio
577733


Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

ALTERNATIVAS NATURAIS PARA DIMINUIR A LIPOPROTEÍNA 'A'

Comer peixe que tenha bastante ácidos graxos ômega-3 pode diminuir os níveis de lipoproteína (a)
O QUE É A LIPOPROTEÍNA 'A'
A lipoproteína (a) [Lp(a)] consiste numa partícula semelhante à LDL e a apolipoproteína específica (a) [apo(a)], que é covalente ligada à apoB da partícula semelhante à LDL. As concentrações plasmáticas de Lp(a) são altamente hereditárias e controladas principalmente pelo gene da apolipoproteína (a) [LPA] localizado no cromossoma 6q26-27. As proteínas apo(a) variam em tamanho devido a um polimorfismo de tamanho [KIV-2 VNTR], que é causado por um número variável de repetições kringle IV no gene LPA. Esta variação de tamanho ao nível do gene é também expressa ao nível da proteína, resultando em proteínas apo(a) com 10 a > 50 repetições kringle IV (cada variável do kringle IV consiste em 114 aminoácidos). Estes tamanhos variáveis ​​das apo(a) são conhecidos como "isoformas apo (a)". Existe uma correlação geral inversa entre o tamanho da isoforma a…