Pular para o conteúdo principal

ALIMENTAÇÃO VIVA: COMO PRODUZIR GRÃOS GERMINADOS


ALIMENTAÇÃO VIVA: GRÃOS GERMINADOS

“a germinação digere previamente o alimento, já que quebra o amido concentrado em carboidratos simples e a proteína em aminoácidos livres. Assim, nossas enzimas digestivas não tem um trabalho árduo para digerir. São alimentos mais prontos para serem aproveitados pelo organismo”. Nutricionista Patrícia Davidson Haiat (via Bem Estar)
Os alimentos germinados, conhecidos também como alimentos vivos, favorecem de forma considerável a saúde humana. Germinar grãos e sementes contribui para a potencialização dos nutrientes, transformando-os em alimentos de maior qualidade nutricional, oferecendo ainda a maior biodisponibilidade.
O processo de germinação provoca reações bioquímicas no interior dos grãos e sementes que ajudam na redução dos antinutrientes, como o ácido fítico e disponibiliza nutrientes essenciais que estão latentes. O consumo deste alimento melhora a digestão e ajuda o organismo a absorver a maior concentração de nutrientes como, antioxidantes, ácidos graxos essenciais, proteínas, fibras, vitaminas e minerais.
São muitas as vantagens do consumo de alimentos germinados: elimina compostos inibidores de enzimas; aumenta o número de enzimas digestivas; tem propriedades anticancerígenas, melhora a qualidade do sono e a pressão arterial, entre outras propriedades.

Como produzir grãos germinados

  1. Coloque de uma a três colheres de sopa de grãos em um vidro e cubra com água pura, sem cloro.
  2. Deixe de molho por uma noite (o girassol sem casca só precisa de quatro horas).
  3. Cubra o vidro com um pedaço de filó e prenda com um elástico. Despeje a água e enxágue bem sob a torneira.
  4. Coloque o vidro inclinado num escorredor com a boca para baixo e cubra com um pano (o pano é opcional).
  5. Enxágue duas vezes ao dia: de manhã cedo e à noite.
  6. Os grãos germinados estarão prontos para ser comidos ou plantados após um período variável:
  • Agrião: após seis a oito dias.
  • Alfafa: após três a quatro dias.
  • Arroz: após quatro a cinco dias.
  • Feijão azuki: após quatro a cinco dias.
  • Gergelim: após dois a três dias.
  • Girassol sem casca: logo que amolecer com a água.
  • Lentilha: após três a quatro dias.
  • Trigo: após dois a quatro dias.

Dicas:

Algumas leguminosas como o grão de bico, podem ter sua pele retirada após a germinação, bastando apertá-la cuidadosamente entre os dedos. Esse processo elimina o excesso de celulose presente nessa pele e facilita a digestão;
O período de germinação varia de acordo com o tamanho das sementes. No caso, lentilhas e feijões azuki germinariam bem num intervalo de 8 horas. Sementes maiores como amêndoas, por exemplo, devem ficar por 10 a 12 horas;
Caso tenha germinado uma quantidade muito grande de sementes, não as descarte. Coloque num saquinho e leve à geladeira. Na presença do ar frio, as sementes desaceleram o processo e isso permitirá que sejam consumidas em alguns dias;
Quem mora em lugares muito quentes provavelmente deverá diminuir o tempo de germinação, assim como, os moradores de lugares frios, precisarão aumentar esse período;
Os grãos e sementes que germinaram demais, e já estão muito grandes, não são tão bons quanto os mais novinhos, que são mais saudáveis mais cheios de energia;
Já existem grãos germinados desidratados à venda, mas é tão mais simples e saudável fazê-los em casa! Obviamente, durante o processo de desidratação, o elevado valor nutricional do grão fresco germinado se perderá.

Como consumir os germinados:

Em saladas cruas; Adicionados em sucos, pães, massas, sobremesas, tortas salgadas, bolinhos de vegetais, biscoitos, patês; Com frutas; Com leite de cereal; Formando parte de diversos pratos cozidos, adicionando no final do preparo para não perder as propriedades.

Nós germinamos os grãos de lentilha, só que elas cresceram por demais:


Referências:
Mundo boa forma
Alimentos Vivos

Fonte:https://ingredientedavez.wordpress.com/2015/09/18/graosgerminados/

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …