Pular para o conteúdo principal

APRENDA A CONGELAR OS VEGETAIS E ECONOMIZE DINHEIRO E TEMPO

Resultado de imagem para Aprenda a congelar os vegetais e economize dinheiro e tempo

Aprenda a congelar os vegetais e economize dinheiro e tempo

Técnica mantém os alimentos sem bactérias e cheios de vitaminas. Não há mais desculpa para não ter vegetais sempre à mão.

Congelar os vegetais pode ser a solução para os seus problemas de falta de tempo para organizar as suas refeições diárias. Muitas vezes vamos à feira, compramos muitos legumes e hortaliças e na correria da semana, esquecemos do que tem na geladeira e quando lembramos, as coisas estão murchas ou até mesmo estragadas.
Há quem pense que congelar os vegetais irá destruir seus nutrientes e vitaminas, deixando o alimento sem valor. Isso não é verdade. Com dicas muitos simples você irá congelar os seus vegetais e poderá ter sempre à mão algum vegetal para enriquecer as suas refeições e evitar o desperdício de comida e de dinheiro.
Congelamento mantém a qualidade dos vegetais: sem bactérias e cheios de nutrientes
Muitas pesquisas já foram feitas para testar o valor dos vegetais depois do congelamento.  O ato de congelar paralisa os microrganismos, pois não conseguem sobreviver a temperaturas tão baixas. O ideal seria congelá-los assim que são retirados da terra, assim evitaria a perda de nutrientes e a invasão de bactérias. Mas isso seria muito caro para os produtores e fornecedores! Portanto, faça isso na sua casa e conserve os vegetais por muito mais tempo, sem perder suas vitaminas.
Alguns vegetais não são compatíveis com o congelamento, mas são muito poucos.  Exemplos: pepino, alface e tomate. Os mais recomendados para o congelamento em são aqueles que são cozidos antes de comer, congelados crus. Outros precisam ser congelados após o cozimento, como a batata. Esse vegetal deve ser congelado depois de ser cozido ou sob a forma de purê.
Você conhece a técnica do branqueamento?
O nome parece esquisito, mas acredite, essa técnica não exige nenhum dom especial para a cozinha. Basicamente, o que vamos fazer é dar “um choque” nos vegetais antes de levá-los para o congelador, assim paralisamos as bactérias e as enzimas que podem destruir as vitaminas dos vegetais.
Você vai precisar apenas de: água para ferver, sal, água bem gelada e sacos plásticos. Simples, não é?
Passo a passo
1. Selecione os vegetais, não podem estar maduros demais nem “machucados”.
2. Lave e corte os legumes em tamanhos mais ou menos iguais.
3. Coloque em uma panela bem grande 1 litro de água e deixe aquecer ao ponto de quase fervura.
4. Coloque os vegetais para escaldar, não pode deixar cozinhar, é apenas uma escaldada.
5. Retire com a ajuda de uma peneira de metal e mergulhe imediatamente na água gelada (pode acrescentar pedaços de gelo para estar bem gelada).
6. Coloque em sacos de plásticos pequenos e descongele apenas a porção que for consumir.
Alguns alimentos podem ser congelados diretamente crus: cebola, cenoura, abobrinha, mandioca, alho-poró, cebolinha e salsinha.
A validade no congelador é de 6 meses. Ótima duração e assim você tem as suas refeições mais organizadas e sem desperdícios. Gostou da dica?
Fonte:http://www.dicasonline.tv/congelar-vegetais/?


Resultado de imagem para Aprenda a congelar os vegetais e economize dinheiro e tempo

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …