Pular para o conteúdo principal

A FARSA DO COLESTEROL - TEXTO E DOCUMENTÁRIO EM VÍDEO

Teste de Colesterol: dedo de um homem é picado para testar o nível de colesterol em seu sangue (Rick Gershon / Getty Images)
Teste de Colesterol: dedo de um homem é picado para testar o nível de colesterol em seu sangue (Rick Gershon / Getty Images)

A farsa do colesterol – Parte 1

Para a grande maioria das pessoas, a dieta não tem efeito significativo sobre os níveis de colesterol no sangue. Os níveis de colesterol no sangue têm muito pouca relação com a doença coronária.
Estes fatos são contrários a tudo o que você já ouviu. São quase impossíveis de acreditar, mas são verdadeiros. O paradigma do colesterol é dogma – praticamente uma religião. Uma grande mentira que penetrou profundamente no subconsciente de nossa nação.
Nós não sabemos o que causa doenças do coração. Porém, sabemos o que não causa, e uma delas é o colesterol.
Os médicos aprenderam sobre o colesterol da mesma forma que nós: por meio da mídia, jornais, revistas, televisão, e as várias revistas médicas. Eles não sabem todos os fatos.
Temos sido inundados com uma onda de exageros, distorções e até mesmo deturpação absoluta dos fatos. Há somente poucas pessoas que não foram completamente sujeitos a esta lavagem cerebral.
A Associação Americana do Coração (AHA), o Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue (NHLBI ) e suas equipes de investigação recebem centenas de milhões de dólares em subsídios, e controlam toda a pesquisa sobre a doença coronária, assim como a informação que é divulgada ao público. A “verdade” não é discutível!
A posição da AHA e do NHLBI é a seguinte: A grande epidemia de doença cardíaca coronária durante os primeiros 60 anos do século 20 foi causada por um aumento do consumo de gordura saturada e de colesterol na dieta da população mundial. Nenhuma parte desta afirmação é verdadeira, e a aliança NHLBI – AHA nunca publicou nenhum dado que apoie, mesmo que remotamente, esta posição
Existe uma relação muito fraca entre o nível de colesterol no sangue e a doença coronária.
Somos ensinados a temer o colesterol. Mas o que é, e qual é a sua função?
O colesterol é um cristal de álcool sólido, conhecido como esteroide. Existe em todas as células do corpo, e é absolutamente essencial para a nossa saúde. O corpo contém cerca de 5 gramas de colesterol, e apenas 7% disto circula no sangue.
O colesterol é um componente das membranas das células, onde regula a troca de nutrientes e produtos residuais. O colesterol ajuda no desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso e atua como um condutor de impulsos nervosos.
É um componente em ácidos biliares, os quais promovem a digestão de alimentos. Sem colesterol, esta gordura complexa, as vitaminas A , D , E e K, que são solúveis apenas em gorduras, não poderiam ser absorvidas.
O colesterol é uma substância necessária para a fabricação dos hormônios adrenais, sexuais, e hormônios da pituitária. O colesterol também é uma substância necessária para a pele, pois é convertido em vitamina D pela luz, e cria uma barreira que impede que a água e outros fluidos de entrar no corpo através da pele.
O colesterol é principalmente fabricado no fígado e na parede intestinal, mas também é sintetizado em todas as células do corpo, exceto as do tecido nervoso. O corpo fabrica entre mil e 2 mil miligramas de colesterol por dia.
Se a sua dieta não for suficientemente rica em colesterol, o seu corpo aumenta a produção interna. Em outras palavras, o nível de colesterol permanece quase constante, quer se coma mais colesterol ou não.
A mídia tem enfatizado duas lipo proteínas específicas. O HDL (lipo proteínas de alta densidade) é considerado o colesterol bom, porque capta o excesso de colesterol das células e remove-o a partir do sangue.
O LDL (lipo proteínas de baixa densidade) é considerado o mau colesterol, pois considera-se que esse tipo de colesterol se deposita nas artérias que provocam arteriosclerose. Apesar do que você leu, tudo isto é especulação.
A genética determina o nível de colesterol.
Os níveis sanguíneos de colesterol aumentam com o uso de nicotina, stress, dor, medo, gravidez, falta de exercício, medicamentos, tais como hormonas do sexo masculino e do sexo feminino, tranquilizantes, cortisona, vitaminas A e D, diuréticos e álcool. Várias doenças afetam os níveis de colesterol, incluindo o hipotiroidismo, a hepatite, a doença renal e a obstrução da vesícula biliar.
Os níveis sanguíneos de colesterol mudam durante as estações do ano. Uma medida não pode realmente representar o nível médio de sangue de uma pessoa. Instrumentos de medição de colesterol em laboratórios ou hospitais são notoriamente imprecisos. No entanto, milhares de milhões de dólares por ano são gastos em testes de colesterol.
Leia na próxima semana a parte 2 deste artigo, a respeito de como a ideia da dieta-CHD começou
O leitor deve consultar um médico para todos os conselhos médicos
Sheldon Zerden é um autor premiado. As perguntas e comentários podem ser enviados para Axnoon@yahoo.com

A farsa do colesterol – Parte 2

Postagens mais visitadas deste blog

ALTERNATIVAS NATURAIS PARA DIMINUIR A LIPOPROTEÍNA 'A'

Comer peixe que tenha bastante ácidos graxos ômega-3 pode diminuir os níveis de lipoproteína (a)
O QUE É A LIPOPROTEÍNA 'A'
A lipoproteína (a) [Lp(a)] consiste numa partícula semelhante à LDL e a apolipoproteína específica (a) [apo(a)], que é covalente ligada à apoB da partícula semelhante à LDL. As concentrações plasmáticas de Lp(a) são altamente hereditárias e controladas principalmente pelo gene da apolipoproteína (a) [LPA] localizado no cromossoma 6q26-27. As proteínas apo(a) variam em tamanho devido a um polimorfismo de tamanho [KIV-2 VNTR], que é causado por um número variável de repetições kringle IV no gene LPA. Esta variação de tamanho ao nível do gene é também expressa ao nível da proteína, resultando em proteínas apo(a) com 10 a > 50 repetições kringle IV (cada variável do kringle IV consiste em 114 aminoácidos). Estes tamanhos variáveis ​​das apo(a) são conhecidos como "isoformas apo (a)". Existe uma correlação geral inversa entre o tamanho da isoforma a…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…