Pular para o conteúdo principal

A POLÊMICA E OS RISCOS DA DIETA FAST FOOD

MONTAGEM - EU ATLETA -  frutas legumes e sanduíche (Foto: Agência Getty Images)
Dieta com fast food é polêmica: ela continha 
cerca de 2 mil calorias 
(Foto: Agência Getty Images)

A polêmica da dieta do fast food: especialista alerta para os riscos

Com 'cardápio equilibrado' e 45 minutos de caminhada por dia, professor perde 17kg comendo sanduíche, batata frita e sorvete. Nutricionista opina.


Um nova polêmica sobre dietas foi levantada depois que um professor americano perdeu 17kg em três meses. Com a colaboração de três alunos e profissionais de saúde elaboraram um programa alimentar à base da comida vendida em famosa rede de fast food. A dieta continha cerca de 2 mil calorias, apenas com o consumo de alimentos vendidos pela rede.
O cardápio era equilibrado nutricionalmente mesmo comendo sandúiche com dois hambúrgueres, alface, queijo e molho, mais batata frita e sorvete. O professor praticou diariamente 45 minutos de caminhada. Segundo ele: “ Basta adotar uma dieta equilibrada aliada a exercícios diários, mesmo comendo fastfood todos os dias. São as nossas escolhas que nos fazem engordar, não a lanchonete ”.

Mas, afinal, o que é uma dieta saudável? Basta contar calorias para redução do peso?

Com certeza não está na lista de estilo de vida saudável a ingestão de alimentos industrializados ricos em sódio, ricos em gordura saturada e colesterol, alta densidade calórica por alimento e a monotonia alimentar.

O que devemos refletir é: após o rápido emagrecimento e sem a preocupação da construção de um hábito alimentar esta perda de peso será duradoura?

Os alimentos vendidos na rede dificilmente podem ser adaptados para a alimentação do dia a dia ou para praticantes de atividade física que precisam de combustível antes, durante e pós-treino.

Esta “dieta do fast food” é a contramão do preconizado para redução de peso, prevenção de doenças (cardiovasculares, diabetes, osteoporose, anemia, câncer) e melhora da performance, onde estimula-se:

- Reduzir a ingestão de gorduras ruins (saturadas: manteiga, queijos, empanados) e aumentar a ingestão de gorduras boas monoinsaturadas (azeite, castanhas) e polinsaturadas (peixes, linhaça, chia)

- Ter variedade alimentar, ingerir alimentos coloridos para atender as recomendações de vitaminas, minerais e fibras: 5 porções diárias de frutas, verduras e legumes. Fazer 5 refeições diárias.

- Aumentar o consumo de alimentos integrais (arroz, pães, massas)

- Aproveitar os alimentos locais e a safra dos alimentos por ser o período de maior valor nutricional e preço mais baixo.

- Evitar alimentos com alta densidade calórica como tortas, frituras, alimentos gratinados, preparações com queijo ou creme de leite.

- Comer pouco sal. Evitar alimentos enlatados e produtos como salame, mortadela e presunto, que contêm muito sal. Evitar o saleiro à mesa.

- Aumentar o uso de temperos naturais como alho, salsinha e cebolinha. Alimentos ingeridos na sua forma natural como feijão, arroz, frutas, grãos e verduras têm pouquíssimo sal.

- Faça atividade física todos os dias ou pelo menos 150 minutos por semana. Inclua na sua rotina andar a pé, subir escada, jogar bola, dançar, passear e outras atividades. Fique mais ativo.

Estudos demonstram que a restrição calórica da dieta é mais efetiva para perda de peso do que a composição ou qualidade da dieta a distribuição dos macronutrientes (carboidratos, proteínas e lipídeos).
Entretanto, a manutenção do peso perdido é mais eficaz nas dietas que tenham menor restrição alimentar, prática esportiva e que esteja o mais próximo do estilo de vida do indivíduo.

Um exemplo de dieta com preocupação na qualidade alimentar e estilo de vida ativo é a dieta Mediterrânea, que tem relação com redução de riscos de doenças cardiovasculares e tem como característica ingestão moderada de gordura, evitando a gordura saturada e rica em gordura monoinsaturada e polinsaturada, com ingestão de verduras, frutas, legumes, maior ingestão de peixes, azeite, oleaginosas (nozes, castanhas...).

O controle de peso tem que ser constante, o mais eficaz é achar a “dieta” que mais se aproxima do seu estilo de vida e escolher uma atividade física que proporcione prazer além da perda de peso, desta forma a prática será duradoura.
Ideal é elaborar um programa alimentar no primeiro momento para redução de peso e melhorar a composição corporal, mas que possa ser adaptado para a fase de manutenção do peso perdido.

Qualquer dieta com diminuição da ingestão calórica e aumento do gasto energético resulta na perda de peso, é uma conta matemática. Entretanto cada indivíduo responde de uma forma a esta restrição. A perda de peso precisa também estar relacionada com a melhora da composição corporal, redução de gordura e manutenção ou ganho de massa muscular.

Para o sucesso e manutenção da perda de peso é fundamental levar em consideração estratégias de acompanhamento, motivação, estilo de vida, preferências alimentares individuais e estímulo  da prática esportiva.

Por Cristiane Perroni(Nutricionista)

Fonte:http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/nutricao/noticia/2014/01/polemica-da-dieta-do-fast-food-especialista-alerta-para-os-riscos.html

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …