Pular para o conteúdo principal

LUTEÍNA COMBATE MANCHAS E FOTOENVELHECIMENTO DA PELE

A luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres -  proporciona um efeito fotoprotetor contra a radiação solar e artificial, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da pele Foto: Shutterstock

A luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - 
proporciona um efeito fotoprotetor contra a radiação solar e artificial, 
além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da pele
Foto: Shutterstock


Luteína combate manchas e fotoenvelhecimento da pele


Estudos já comprovaram que a luz emitida por computadores, televisores e lâmpadas fluorescentes pode causar manchas na pele, assim como os raios ultravioleta (UVA e UVB). Mas, o que pouca gente sabe é que a luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - pode proporcionar um efeito fotoprotetor contra todas essas radiações, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da pele.
Os benefícios desse ativo para a cútis começaram a ser valorizados há cerca de cinco anos quando a revista científica americana Skin Pharmacology and Physiology divulgou um estudo que apontou a luteína como uma poderosa arma antioxidante contra o fotoenvelhecimento cutâneo, causado pela ação dos radicais livres que são formados pela exposição excessiva à radiação e capazes de provocar alterações no DNA das células, principalmente dos melanócitos (células de pigmentação) e dos fibroblastos (células responsáveis pela produção de colágeno).
“Essa substância reduz os efeitos dos radicais livres produzidos pela luz visível, como a emitida pela TV e pela tela do computador. Isso ajuda a evitar o surgimento e a  piora das manchas na pele, além de aumentar o espectro (proteção UVA e UVB) do protetor solar”, explica Jardis Volpe, dermatologista especializado pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), com atualização em Laser pela Harvard Medical School (EUA).
Produtos à base luteína

Pouco conhecida do grande público, a luteína é um carotenoide, ou seja, um pigmento natural encontrado em verduras, como o espinafre, o brócolis e a couve-flor, em algumas frutas, como a laranja e o kiwi, além de estar presente também no milho e na gema do ovo. Mas, não adianta aumentar o consumo destes alimentos, porque o efeito rejuvenescedor da substância só é assegurado quando ela serve de matéria-prima para produtos cientificamente desenvolvidos, como os dermocosméticos, por exemplo.
Como as pesquisas sobre a ação da luteína na pele ainda são recentes, os produtos de beleza que têm a substância como principal ativo estão começando a ganhar espaço no mercado. “A luteína está presente em alguns cremes dermocosméticos importados. No Brasil, temos a opção de manipulação do princípio ativo para o uso oral sozinho ou em combinação com polivitamínicos”, informa Alexandre Y. Okubo, dermatologista da Clínica Prime, de São Paulo, e membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).
Uma das marcas nacionais que apostam no potencial da luteína para a saúde e beleza da pele é a Biolab Sanus Farmacêutica que oferece o suplemento oral Reaox® (R$ 86) que proporciona uma proteção adicional à pele contra a radiação solar, complementando a ação dos filtros solares.
O cosmético também auxilia a modificação do processo de fotoenvelhecimento, impedindo os danos à molécula de DNA e reconstituindo as membranas celulares danificadas pelos radicais livres. O produto pode ser encontrado nas farmácias e distribuidores da marca em todo o País, em embalagens com 30 cápsulas gelatinosas.
“Os resultados do clareamento das manchas podem ser vistos a partir de 60 dias de uso. Mas o consumo contínuo dos cosméticos à base de luteína é importante para a prevenção”, alerta Jardis.
A luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - proporciona um efeito fotoprotetor contra a radiação solar e artificial, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da pele
Uso contínuo da luteína ajuda a evitar o surgimento e a piora das manchas na pele, além de aumentar a proteção do filtro solar
A luz emitida por computadores, televisores e lâmpadas fluorescentes possibilita a formação dos radicais livres responsáveis pelo envelhecimento cutâneo
Pouco conhecida do grande público, a luteína é encontrada em frutas e vegetais, mas não adianta aumentar o consumo destes alimentos, porque o efeito rejuvenescedor da substância só é assegurado quando ela serve de matéria-prima para produtos cientificamente desenvolvidos.
No Brasil, uma das marcas que apostam no potencial da luteína é a Biolab Sanus Farmacêutica que oferece o suplemento oral Reaox® (R$ 86), que proporciona uma proteção adicional à pele contra a radiação solar, complementando a ação dos filtros solares. SAC: 0800 724 6522
Fonte:http://beleza.terra.com.br/sua-pele/para-sua-pele/luteina-combate-manchas-e-fotoenvelhecimento-da-pele,33a2bfcdc4d47310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

A Luteína e você...!

Há algum tempo, nos congressos de Dermatologia, os nutracêuticos ou nutricosméticos ( como queiram...) têm sido abordados como o "pulo do gato" no quesito prevenção do envelhecimento e dos danos solares.
Mais recentemente, (pausa ...ATENTEM PARA ESTE NOME, vocês vão ouvir falar muito dela...)  descobriram o papel da Luteína como um excelente anti-oxidante para vários órgãos do seu corpo, incluindo a pele e os olhos
.



Mas, afinal, o que essa maravilha em cápsulas faz por você?
A Luteína é um composto carotenóide presente em diversos legumes coloridos como a cenoura , o espinafre e muitas frutas.




Este anti-oxidante mostra-se protetor das plantas contra a fotossensibilização da clorofila, daí a idéia de se investigar este agente com propriedades contra os efeitos nocivos do SOL, entende?

Após intensas pesquisas ( para  a nossa alegria!) verificou-se  que a Luteína pode ser eficaz ajudando a diminuir  a inflamação e a imunossupressão induzidas pela radiação ultravioleta e , ainda, quem sabe, diminuir a chance do desenvolvimento de câncer de pele.
Vejam bem, não estou dizendo que a Luteína previne o câncer de pele, sabemos que este  processo de desenvolvimento do câncer é muito mais amplo e depende de muitos outros fatores além da exposição solar. Mas, diminuindo-se o efeito da inflamação causada pelo Sol, podemos tê-la como uma grande aliada nesta batalha contra as manchas e o câncer de pele, não é?


Ainda, estudos demonstram que a administração da Luteína oral aumenta a hidratação da pele e a sua elasticidade ( Oba!).
E, mais, a título de curiosidade, a Luteína é capaz de prevenir ouconter a progressão de uma doença que acomete a mácula dos olhos, a DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA À IDADE, capaz de causar cegueira ou perda da acuidade visual em pessoas com mais de 65 anos.


Nesta condição, especialmente, se  me permitem abrir uma sessão "saudade", me lembro bem a minha avó Bárbara sofrendo deste mal. Ela não se conformava em perder a acuidade visual e não poder fazer nada para evitar. Na época consultamos um oftalmologista renomado no Rio de Janeiro e ele orientou trazer  um suplemento de vitaminas com a Luteína dos EUA, como uma medida paliativa, porque já estava avançada a degeneração, no caso dela.
Bom, queridíssimos, o fato é que agora a Luteína é nossa! Muitos polivitamínicos no Brasil a trazem em seus rótulos de maneira isolada ou associada a outros antioxidantes, completando e deixando a nossa suplementação ainda melhor. Um beijo grande e nos vemos logo!



 Por 

Fonte:http://dicasdepele.blogspot.com.br/2012/07/luteina-e-voce.html

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …