Pular para o conteúdo principal

O QUE É VEGANISMO ?




O que é veganismo? 


Veganismo é um estilo de vida em respeito aos animais. Assim, um vegan:
  • não come alimentos de origem animal, carnes de todas as cores e tipos, ou que contenham qualquer resíduo: leites, queijos, salsichas, ovos, mel, banha, manteiga, etc;
  • não veste roupas ou sapatos feitos de animais: couro, seda, lã, etc;
  • evita o consumo de cosméticos e medicamentos testados em animais ou que contenham componentes animais na formulação: sabonetes feitos de glicerina animal, maquiagem contendo cera de abelha, xampu com tutano de boi, etc;
  • não apóia diversões contendo exploração animal, como rodeio, circo com animais, rinhas, etc;
  • profissionalmente não trabalha com exploração animal (vivo ou morto), como venda de animais em pet shop, lojas de aquário ou gaiolas para passarinhos, venda de qualquer produto que contenha derivado animal (p.ex. bolsas e sapatos de couro), restaurante que utilize animais ou seus resíduos corporais como comida, dentre outras atividades.

O vegano leva sua vida normalmente, com a diferença de pensar antes nos animais em todas as escolhas, e faz isso unicamente em respeito a eles. É fácil ser vegan! (obs: vegan lê-se vígan, ou aportuguesado: vegano)



É suficiente apenas deixar de comer carne?


Se você quer respeitar os animais e decidiu não comer apenas carne, mas tolerar resíduos como queijo e ovos, está sendo incoerente. O animal de indústria vai ser morto ali dentro de qualquer jeito, e morre exausto pela exploração de uma vida inteira. 

A vaca leiteira, por exemplo, é inseminada artificialmente a vida inteira (sem filhos = sem leite) e seus filhotes são abatidos aos 3 meses como vitela/baby beef, e ao final de uma vida inteira de exploração, quando baixa sua produção leiteira, a vaca é mandada para o abatedouro do mesmo jeito. 

As galinhas poedeiras (que põem ovos) passam a vida presas em gaiolas, e no final, o destino também é o abatedouro. É bem pior ser fêmea, o sofrimento é maior do que simplesmente ser assassinada.

Quando se trata de indústria, tudo é feito visando um único objetivo: lucro. Animais são vistos como máquinas, a produção não pode parar: hormônios são injetados para acelerar o crescimento, antibióticos indiscriminadamente utilizados para conter doenças num ambiente caótico lotado de animais pressentindo a morte, e tudo isso vai para dentro do organismo de quem consome os cadáveres ou subprodutos feitos a partir de secreções dos corpos de animais. Conforme Dicionário Michaelis: "cadáver: sm (lat cadaver) 1 Corpo humano ou animal após a morte." 

Nada disso é necessário, se você não quiser. Que sentido tem em se alimentar assim, só porque você não vê o que acontece antes com sua comida? Pessoas que trabalham em ambientes assim são as que mais procuram ajuda psicológica/psiquiátrica, uma vez que são dessensibilizadas pelo sistema. Os consumidores também estão dessensibilizados, deixando-se levar pela propaganda da indústria da carne e pela velha cultura de que carne é bom. Carne não é bom nem para nós, nem para os animais. 

Depende de cada um a mudança no mundo, afinal, quando não houver mais procura, não haverá mais oferta. 



É fácil ser vegan!



Pode levar algum tempo para se acostumar com as mudanças da dieta vegan, explorar novos alimentos e desenvolver sua rotina. Felizmente, hoje em dia há abundância de opções vegans prontas no mercado: várias marcas de leite vegetal fortificado, pratos prontos congelados ou enlatados, hamburgers, salsichas, linguiças, almôndegas, margarinas, queijos, patês, maioneses, salgadinhos de pacote, irresistíveis sobremesas como chocolates, sorvetes, chantilis, creme de leite de soja, doce de leite, iogurtes, biscoitos, você escolhe!

Com as substituições adequadas, você descobre que ainda pode desfrutar de suas refeições favoritas: adaptar receitas de família torna-se fácil com a proteína de soja e o glúten, feitos em casa ou comprados prontos. Explore sites de receitas veganas na internet, utilize essa preciosa ferramenta e aproveite para fazer novas amizades e abrir seus horizontes.

  
Há muitas coisas que podemos fazer para tornar o mundo um lugar melhor, e com certeza o veganismo é a maneira mais maravilhosa para contribuir várias vezes ao dia. Não se trata de perfeição ou tentar ser melhor do que os outros, e sim o melhor que podemos ser em nós mesmos, reduzindo ao máximo possível o sofrimento animal. O boicote às indústrias ou a qualquer comércio que explore o sofrimento animal é uma escolha inteligente, associado ao ato de levar essa informação adiante. 

Fazer escolhas é a afirmação definitiva da nossa humanidade, enquanto nessa condição devemos utilizá-la, lembrando que para os animais só importam as coisas que fazemos. 


Fonte:http://www.veganismo.org.br/

Veganismo

Veganismo é o modo de vida que busca eliminar toda e qualquer forma de exploração animal, não apenas na alimentação, mas também no vestuário, em testes, na composição de produtos diversos, no trabalho, no entretenimento e no comércio. Veganos opõem-se, obviamente, à caça e à pesca, ao uso de animais em rituais religiosos, bem como a qualquer outro uso que se faça de animais.
Take carvedilol just as prescribed through your doctorcialis acheter trengths cialis coupon If your child taking Diovan cannot swallow a capsule whole, your friendly phamacist can mix the medicine in to a liquid paper.
Veganos são, portanto, vegetarianos que excluem animais e derivados não apenas de sua dieta, mas também de outros aspectos de suas vidas. Esse modo de vida fundamenta-se ideologicamente no respeito aos direitos dos animais e pode ser praticado por pessoas de quaisquer credo, etnia, gênero ou preferência sexual. O veganismo não tem relação com crenças políticas nem com preferências musicais, nem deve ser associado a determinada cultura. Trata-se, portanto, de uma prática universal.
Como praticar o veganismo
Embora a abstenção de produtos e serviços derivados da exploração animal pareça resultar em um modo de vida bastante restritivo, a prática do veganismo é relativamente simples e fácil, especialmente nos grandes centros urbanos.
Veganos são, primeiramente, vegetarianos. Isso significa que veganos jamais devem consumir alimentos que contenham a carne de nenhum animal (inclusive aves, peixes e invertebrados), ovos, leite, gelatina, mel, cochonilha ou outros ingredientes derivados de animais.
A dificuldade maior em não consumir esses alimentos encontra-se no fato de que a maior parte dos produtos industrializados possui um ou mais deles em sua composição. No entanto, é importante que produtos que possuam tais ingredientes, ainda que em pequenas quantidades, sejam boicotados, optando-se por produtos que não os contenham em sua composição.
Muitos vegetarianos optam por não consumir alimentos industrializados para, desta maneira, evitar o consumo de alimentos cuja composição não seja bem conhecida. Tal escolha é uma opção pessoal, não sendo tal prática inerente ao veganismo. Desde que isentos de ingredientes de origem animal, alimentos industrializados podem ser consumidos por vegetarianos.
Veganos devem, sempre que possível, evitar a utilização de produtos testados em animais ou que possuam ingredientes de origem animal em sua composição. A experimentação animal é uma das formas mais cruéis de exploração animal, estando, no entanto, bastante difundida, sobretudo nos produtos farmacêuticos, de higiene e em cosméticos. Há, porém, diversas marcas e linhas de produtos que não utilizam elementos de origem animal e nem utilizam animais para testar seus produtos.
Veganos também devem dar atenção ao vestuário. Sapatos e acessórios de couro, peles, seda, lã, penas e plumas são produtos oriundos da exploração animal. Há diversas opções no mercado que substituem com vantagens tais itens e não há como justificar a necessidade de continuar tal uso.
De igual maneira, veganos jamais devem entreter-se às custas de animais. Animais não estão nos zoológicos e aquários por opção; eles não realizam performances em circos porque assim o querem, nem pulam em rodeios porque consideram isso divertido. É óbvio que esses animais são coagidos a participar desses "espetáculos" torpes.
Não há como considerar touradas, corridas de animais, rinhas, vaquejadas, cavalhadas, caça, pesca e outras formas de tortura como sendo esportes ou manifestações culturais. Elas são, isso sim, demonstrações grosseiras e cruéis da dominação humana sobre outras espécies.
Embora veganos possam tutelar animais, deve haver toda uma ética em relação à aquisição dos mesmos. Animais jamais devem ser adquiridos mediante transação comercial, permuta ou escambo, nem devem provir de ninhadas produzidas intencionalmente com o objetivo de venda dos filhotes. Salvo algumas exceções, veganos geralmente adotam animais abandonados, preferindo animais sem raça definida e com menores chances de serem adotados por outros tutores.
Veganos devem opor-se, igualmente, a todas as outras formas de exploração animal.
Os veganos são radicais?
Em um certo sentido todas as pessoas do mundo são radicais. A maioria de nós é radicalmente contra a violência, radicalmente contra o abuso infantil, a injustiça... Não há nada de errado em ser radical em questões que julgamos justas.
O contrário de ser radical é ser moderado. Mas será que é sempre certo sermos moderados? Que imagem devemos ter de uma pessoa que tenha uma visão permissiva em relação a questões como a escravidão, o estupro e tantas outras?
Sim, veganos são radicais porque não aceitam de forma alguma a exploração animal, assim como não aceitam de forma alguma a exploração humana. Não aceitar significa fazer algo a respeito, mesmo que isso signifique questionar o modo de vida que estamos acostumados a ter.
De que forma o veganismo atua em defesa dos animais?
Todo sistema produtivo está sujeito às leis de mercado, inclusive os sistemas que envolvem a exploração animal. A cadeia produtiva que envolve esta inclui o produtor ou criador, o transportador, o processador ou abatedor, o distribuidor, o comerciante e o consumidor. Todos esses são elos importantes da cadeia de exploração animal e a falta de quaisquer desses elos compromete todo o funcionamento do sistema.
Pode-se dizer que uma pessoa que participe dessa cadeia apenas como consumidor é tão responsável pela morte do animal quanto, por exemplo, o abatedor, pois se trata de um sistema de exploração cíclico e interdependente. Como em qualquer crime, há a mão que desfere o golpe, mas tão responsável quanto quem o desferiu é a mão que paga por ele. Se ninguém comprasse carne, leite e ovos não haveria quem os vendesse. Não haveria interesse por sua produção, seu transporte e sua comercialização.
A proposta principal do veganismo consiste em atuar como uma força de mercado. Veganos efetivamente impedem que mais animais continuem a ser explorados quando boicotam produtos de origem animal, que tenham sido testados em animais ou que de alguma forma derivem ou resultem de exploração animal.
E maior será essa força de mercado quanto maior for o número de veganos efetivamente atuando nesse boicote. Por esse motivo há a necessidade de divulgação do veganismo para o maior número de pessoas possível. O objetivo do veganismo é pôr fim à exploração animal.
O que eu posso fazer?
O primeiro passo para trilharmos o caminho do veganismo e dos direitos dos animais é tornarmos a nós mesmos veganos, adotando esse modo de vida. Em muitos lugares encontraremos pessoas que dizem respeitar os direitos dos animais, mas se elas mesmas não se tornaram veganas elas não podem dizer que estão efetivamente defendendo os direitos dos animais. O veganismo é o primeiro e não o último passo a ser dado.
Esse importante passo só pode ser dado concomitante com a educação. Apenas educando-nos podemos adotar um veganismo consciente. O veganismo sem consciência nada mais é do que uma fase efêmera da vida. A educação também propicia que nos pronunciemos com propriedade sobre determinado assunto.
O segundo passo é tornarmo-nos difusores desse modo de vida. O veganismo deve ser sempre difundido por meio da educação e jamais por campanhas violentas, coercivas ou de mau gosto. As informações transmitidas ao público devem ser sempre confiáveis e bem fundamentadas, pois o veganismo deve ser algo atraente e não repulsivo, deve ser abrangente e não limitador.
Fonte:ww.sociedadevegana.org/

Por que ser vegano (a)?

Por respeito aos animais!
As indústrias que vivem da exploração animal fazem propagandas "bonitinhas" com animais "felizinhos" como se os mesmos adorassem a realidade que vivem. Mas a verdade é uma só: a cada minuto que passa centenas de animais são mortos cruelmente pelos matadouros do mundo. Os veganos descobriram uma coisa óbvia: somos nós, consumidores dos produtos de origem animal, que patrocinamos este horror. A grande maioria não quer pensar no assunto para se eximir de qualquer culpa e dizem: "- não sou eu quem esta lá, maltratando e matando os animais que morrem em desespero e dor. Apenas pego a embalagem no mercado ou no açougue, passo no caixa e pago". No fundo a responsabilidade de quem paga para que outros façam o "trabalho sujo" é até pior. Quando encaramos esta realidade passamos a estudar se existem outras opções para viver bem sem participarmos desta exploração;
Os animais são seres inocentes e capazes de sofrer, sentir dor, medo, angustia, exatamente como qualquer um de nós. No entanto, muitos humanos os tratam como simples "mercadoria", os reproduzindo por inseminação artificial (como fabrica de vidas escravas) e os submetendo ao aprisionamento, manejo bruto e morte cruel; Muitas vezes animais de consumo são abatidos e cortados ainda vivos enquanto agonizam. Tudo isso acontece para satisfazer à gula de uns e a ambição por dinheiro de outros.
Nas fazendas do leite, bezerros recém nascidos são separados das suas mães, gerando sofrimento a ambos. As vacas também tem profundo apego a sua cria e sofrem tanto quanto um humano quando há esta separação. Os bezerros ficam trancados em lugares minusculos e escuros, sem poderem se mexer para não criarem músculos e ficarem anêmicos devido a escuridão; Depois de cerca de 3 meses são retirados cambaleando para serem abatidos e serem vendidos como "baby-beef" ou "carne de vitela", apreciada por ser branca e macia devido aos animais anêmicos abatidos ainda jovens. É a industria da exploração em ação, que troca sofrimento por dinheiro. Quem sustenta esta industria são todos aqueles que comem essa carne e compram esse leite.
Para ter uma melhor saúde!
Aonde você pensa que vai parar todo hormônio, antibióticos e alimentação transgênica que esses animais receberam? Vai parar na carne, ovos, leite e queijos que você come, ou seja, dentro de você; Por conta disso não é de se surpreender ver meninas com puberdade aos 10 anos, milhares de pessoas com obesidade e doenças. Na carne ainda são injetados nitratos para conservar seu aspecto vermelho. E depois as pessoas vão parar no hospital com câncer e não sabem o porquê (a maior incidência de casos de câncer do intestino ocorre no Rio Grande do Sul, isto lhe diz alguma coisa?).  Se o alimento que o animal come teve o DNA modificado (trangênicos) quem garante que não há repercussão no metabolismo do consumidor, que ingere algo que tem moléculas ou proteínas que não são naturais? As consequências a longo prazo para a saúde e para o sistema nervoso são imprevisíveis; Quem não come carne corre menos risco de sofrer de doenças do coração, desenvolver câncer e enfrentar problemas como obesidade, diabetes e hipertensão. Também fica livre de outras doenças relacionadas ao consumo da carne, tais como a doença da vaca louca e a gripe aviária, que já fizeram milhares de vítimas no mundo. 
Para preservar o meio ambiente!
Mais da metade do cerrado e grandes areas da amazônia brasileira, foram devastadas em queimadas para posterior criação de gado ou plantação de soja (destinadas a ração de animais de abate). As queimadas não só devastam a floresta como poluem o ar e aceleraram o aquecimento global; O grande destino desta carne pós-floresta queimada é a região Sudeste; Quem diz que se preocupa com a meio-ambiente, preservação ambiental, etc mas continua comendo carne, vive uma grande hipocrisia.
Além disso, no mesmo espaço onde se produz 1 kg de carne, poderia se produzir 80 kg de grãos. A industria do couro libera resíduos líquidos altamente tóxicos que acabam desembocando nos rios. A emissão de gás metano contido nos arrotos, flatulências e fezes dos milhões de animais que ocupam as fazendas de criação, é uma das principais causas da destruição da camada de ozônio. De acordo com a ONU, a pecuária responde sózinha pela emissão de 18% dos gases causadores do aquecimento global (mas porque será que a TV  não divulga isto? E por quê o Al Gore não comenta isto em seu documentário? (a familia dele cria gado).
É por tudo isso que, se você se preocupa de verdade com o meio ambiente, não devia comer carne.
Para preservar a água
Enquanto milhares de pessoas no mundo não tem acesso a água, no Brasil, 45% da água potável é gasta na pecuária. Para produzir 1 kg de trigo se gasta 42 litros de água; para 1 kg de soja, cerca de 500 litros; para produzir 1 kg de carne são gastos 14 mil litros. 
Para acabar com a fome mundial!
A maior parte dos grãos e da soja produzidos hoje no planeta destina-se à produção de rações utilizadas na engorda dos animais de corte. Para que desperdiçar tanto alimento e água para a produção de tão pouca carne se podemos nos alimentar diretamente destes grãos? Se os cereais utilizados como ração de animais de corte fossem utilizados diretamente na alimentação humana, haveria comida mais do que suficiente para todas as pessoas do mundo. Se parássemos de comer carne e houvesse boa vontade dos governos, poderíamos evitar que pessoas morram de fome como acontece todos os dias.
Pelos seus filhos!
Ao livrar seus filhos do consumo de carne , você não estará beneficiando somente a saúde deles. Você também estará contribuindo para que eles vivam num planeta melhor: a indústria da carne é a maior poluidora das águas e destruidora das florestas. Essa devastação pode comprometer de maneira irreversível a sobrevivência dos seus filhos e dos filhos dos seus filhos.
Abra o seu coração!
Junte-se aos ambientalistas, militantes da causa animal e outros ativistas do mundo todo. Esta é uma luta pela construção de um futuro livre de devastação, violência, dor e crueldade. Participe! Ao invés de consumir um alimento que causa danos à sua saúde, aos animais e ao planeta, faça como milhões de pessoas em todo o mundo: você pode escolher alimentar-se de frutas, verduras, grãos, castanhas e legumes. Existem inúmeras delícias que esta culinária tão rica oferece.
Você pode também escolher produtos não testados em animais, adotar um animalzinho abandonado ao invés de comprar de criadores oportunistas (que fabricam animais pensando no dinheiro da venda), escolher eventos que não se utilizem deles e contribuir para o fim de tanta crueldade.
Descubra o veganismo. Você pode viver sem explorar os Animais!  

Fonte:http://www.veganos.org.br/

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …