Pular para o conteúdo principal

CINCO CLÁSSICOS ENGANOSOS DOS CARDÁPIOS LIGHT QUE PODEM MINAR SUA DIETA

Nem tudo que parece ser saudável de fato é. Sabe onde está o erro? (Foto: Shutterstock)


Saudável? Cinco clássicos dos cardápios light que podem minar sua dieta


Se alguma vez na vida você tentou fazer algum tipo de regime, provavelmente lançou mão de um – senão de todos – os alimentos listados abaixo. Clássicos dos menus light, pão integral e barrinha de cereais são opções muito usadas por quem quer perder peso, mas não são a opção mais saudável para tapear a fome.

Isabella Correia, nutricionista da Clínica de Nutrição Funcional Patricia Davidson Haiat, listou os cinco alimentos pseudossaudáveis que devem ficar fora da sua lista de compras do supermercado, esteja você de dieta ou não.

Peito de peru defumado

Escolha fácil a qualquer horário do dia para matar a fome, em sanduíche light ou até sozinho, é procurado por muitos por ter pouca gordura, mas não se engane: “O processo de defumação pelo qual o peito de peru passa faz uso de conservantes como nitritos e nitratos extremamente prejudiciais à saúde e com potencial cancerígeno altíssimo”, alerta a profissional. Outros contras? A liberação de substâncias que podem provocar dor de cabeça/enxaqueca e excesso de sódio na composição, o que causa retenção de líquido e, portanto, estimula a vasoconstrição e eleva a pressão arterial. O resultado é aumento da predisposição do corpo a doenças cardíacas e renais, além do sódio ajudar na retenção de líquidos.

Refrigerante diet

“A fórmula diet dos refrigerantes contém adoçantes não nutritivos como o aspartame, que está sendo apontado como causador de perda de massa óssea e de algumas doenças autoimunes. Apesar de tais doenças ainda estarem em caráter sugestivo e não comprovado, o que se sabe sobre o consumo destes adoçantes é que eles modificam o paladar de tal forma que depois de consumi-los por um tempo, quando a pessoa para o uso e retorna à dieta com carboidratos normais, seu processo de saciedade ligado ao paladar fica tão comprometido que os indivíduos aumentam o volume de alimento consumido devido a este desbalanceamento. Pesquisas também apontam que o paladar muito doce poderia aumentar a produção de insulina, criando assim uma barreira para a oxidação da gordura mesmo com alimentos de baixa caloria”, adverte a nutróloga. O plus, é claro, é o excesso de sódio nas fórmulas: de novo o inchaço está garantido.
Molhos prontos

“Catchup, shoyu ou barbecue, mesmo na versão light, contêm muitas calorias (e muita gordura, no caso da maionese light). Assim, se você tem o hábito de consumir condimentos em todas as suas refeições sólidas, use as fontes naturais - como vinagre, azeite, pimentas e ervas frescas - com moderação ao invés das industrializadas. O alerta é para o açúcar escondido nessas opções light, normalmente provenientes do milho, que podem provocar picos na produção de insulina. Outra observação importante é que a alta quantidade de sódio é comum a todos eles”, explica Isabella.
Entre os mocinhos disfarçados, estão peito de peru defumado, molhos light e até pão integral! (Foto: Shutterstock)
Pão integral

“Muitos dos produtos ditos integrais às vezes têm mais farinha branca, mais açúcar e menos fibras do que deveriam. Então é preciso estar atento e saber ler as informações dos rótulos. O primeiro ingrediente listado no rótulo é aquele que está em maior quantidade, e é muito importante que seja a de farinha de trigo integral (trigo, centeio ou equivalente) - consequentemente, ele terá mais fibras na sua composição”, diz a nutricionista, que aconselha também a observação de outros fatores relacionados à qualidade do produto e que nada têm a ver o fato de ser ou não integral. “A quantidade de sódio e gorduras ruins (saturadas e trans) refletem na sua escolha e, quanto menores, melhor. Mas atenção! Nem sempre as gorduras totais presentes fazem com que o pão seja ruim, pois nele pode haver gorduras boas indispensáveis ao organismo provenientes de oleaginosas como castanhas e também de sementes como, chia e linhaça”, indica.


Barrinha de cereais

“Muitas são aliadas em dietas de emagrecimentos, mas a grande maioria possui excesso de gordura saturada, açúcar, xarope de glicose e frutose, contribuindo para alterações de glicose sanguínea, compulsão alimentar e, consequentemente, excesso de peso. Além disso, possuem componentes artificiais como conservantes e corantes que de saudáveis não têm nada”, fala Isabella. Não quer deixar esse snack coringa de lado? Então fique de olho na composição das suas escolhas: as melhores são as que possuem mais fibras e menos calorias. “Prefira as que contenham frutas e castanhas nos ingredientes, pois essas geralmente têm o maior teor de fibras. As com gergelim, linhaça ou quinoa também são ótimas opções, pois além de trazer saciedade com poucas calorias, são ricas em vitaminas e minerais”, sugere. (VICTORIA MARCHESI)

Fonte:http://vogue.globo.com/beleza/noticia/2013/08/saudavel-5-classicos-dos-cardapios-light-que-podem-minar-sua-dieta.html
  

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …