Pular para o conteúdo principal

UM PROGRAMA DE LONGEVIDADE SAUDÁVEL - DR.FREDERICO LOBO





A história sempre se repete! A vida é um grande ciclo e todas as grandes idéias e teorias inovadoras que abalaram a medicina experimentaram antes o descrédito e décadas após o RECONHECIMENTO.
Uma frase interessante de Arthur Schopenhauer, diz: "Toda verdade passa por três estágios. No primeiro, ela é ridicularizada. No segundo, é rejeitada com violência. No terceiro, é aceita como evidente por si própria." Assim está sendo com a ortomolecular, homeopatia, acupuntura...

Algumas das dicas abaixo são de autoria do pioneiro na ortomolecular brasileira, o professor, médico e pesquisador Dr. Hélion Póvoa. Outras são de autoria do Dr. Edison Saraiva, médico, homeopata unicista, nutrólogo e designer em permacultura.

Na década de 60 quando o Dr. Hélion Póvoa começou a estudar radicais livres, ninguém acreditava no tema. Hoje, o tema está nos livros de fisiologia, patologia, milhares de artigos produzidos anualmente sobre o tema e cerca de 50 congressos sobre o tema são realizados anualmente. Já é algo bem consolidade. Mesmo com a crítica de profissionais AINDA ignorantes, a ortomolecular conquista a cada dia novos pacientes e com bastante rapidez. O motivo ? Eficácia.

Se não funcionasse os consultórios de ortomoleculares não estariam lotados, e se estão lotados é porque um paciente indica para o outro. Ou seja, se indica é porque teve resultado! Concordo que maus profissionais existem na ortomolecular (sim, existem e com frequência recebo pacientes com relatos absurdos, de condutas ditas "ortomoleculares"). Mas bons e maus profissionais existem em todas as profissões.

Hoje, graças à prescrição de antioxidantes, muitas doenças podem ser tratadas e até prevenidas. A Antioxidação é a base da ortomolecular. Antioxidação Racional, já que a produção de radicais livres tem seus benefícios. Não existe ortomolecular bem feita sem as seguintes dicas para a Longevidade saudável. Acompanhem!

São 5 abordagens principais, que o Dr. Hélion Póvoa aconselha para todos aqueles pacientes que querem o melhor da vida. Acrescentei algumas dicas que aprendi com o Dr. Edison Saraiva nesses últimos anos.

1) Cuide da sua alimentação e hidratação

Comer com qualidade é o ponto chave de um tratamento ortomolecular e é inútil se deixar iludir. Nada será conquistado se os antioxidantes por nós prescritos não forem acompanhados de uma boa alimentação, com restrição as gorduras ruins e substâncias pró-oxidantes. Frutas, verduras, legumes e fibras devem estar sempre presentes no cardápio diário.

Não há fórmula ou suplemento alimentar que funcione quando a dieta é pobre e equivocada. Portanto, procure o mais rápido possível uma nutricionista, de preferência com abordagem FUNCIONAL e solicite um planejamento alimentar.

Dicas básicas de alimentação:

1) Dê sempre preferência a alimentos orgânicos e de preferência cultivados em agricutura biodinâmica;
2) Dê sempre preferência a frutas e verduras da estação e da sua região;
3) Coma colorido. Muitas cores. Pelo menos 5, 6 e se possível 7 cores diferentes, todos os dias. Verdes claras e escuras, laranjas, cinzas, vermelhas, roxas e amarelas, um arco-íris de cores. Quanto mais
cor mais bioflavonóides, mais antioxidantes, menos radicais livres, mais saúde.
4) Mastigue, mastigue, mastigue e aí..................... mastigue. Segundo o Dr. Edison, essa é a Yoga mais difícil de todas. A cada garfada repouse os talheres sobre a mesa. Lembre que boca e língua não tem compromisso com nenhum outro órgão.
5) Evacue, evacue, evacue, evacue todo santo dia. Mande pra fora o que o organismo não deseja e SEMPRE olhe o seu cocô (tem que sair igual uma serpente lisa, encorpada e pelo menos 1 vez por dia). Crie um ritmo pro seu intestino, ele agradece. O caminho da libertação começa por colocar disciplina nestas duas (mastigação e evacuação). Disciplina tanto para o que sai, quanto para o que entra.
6) Beba no mínimo 40ml de água pra cada kilo de peso. Ex. 60kg = 40x60= 2400ml por dia.
7) Evite líquido durante as refeições. Se quiser usar, beba 30 minutos antes e 2 horas depois.
8) Evite consumir frequentemente leite (não-humano), seus derivados, glúten, alimentos com aditivos alimentares (conservantes, corantes, flavorizantes, acidulantes e todos os "ante" que causam "Ites": Gastrite, duodenite, rinite, sinusite, esofagite).
9) Evite também açúcar e adoçantes, acostume seu paladar a sentir o doce natural dos alimentos. Nossa língua tem receptores para o sabor doce, o intestino também tem. Se chega o sabor mas não chega o alimento com seu devido valor calórico, dá "tilt" no metabolismo e com certeza você engordura.
10) Gorduras não são ruins, as suas células possuem o envoltório (membrana) formado por gordura + proteína, portanto não seja radical. Consuma gordura SIM, mas com moderação e numa proproção maior de gorduras boas: ômega 3 (linhaça, salmão) e ômega 9 (azeite). Uma boa dica é o uso de óleo de coco em substituição ao óleo de Canola, Girassol, Soja...
11) Se quer emagrecer aposte nas proteínas, dão mais saciedade que carboidratos e gorduras, além de elevar um pouco o metabolismo basal, devido o fato de induzir à termogênese (produção de calor corporal).
12) Itens que devem ser abolidos do seu cardápio, caso queira ser longevo: Refrigerantes; Gorduras Trans !

2) Tome suplementos vitamínicos, minerais e antioxidantes

Grande parte dos médicos ainda duvida da necessidade de tomar vitaminas e minerais sob a forma de suplementos. Lembrando que muitas vitaminas e minerais agem como antioxidantes e vivemos num mundo totalmente PRÓ-oxidante.

O próprio FDA (órgão americano semelhante à Anvisa brasileira) ainda não modificou as necessidades mínimas diárias que aconselha para a vitamina C, por exemplo, recomenda o que para nós equivale a cerca de 60mg diárias, já para vitamina E 30mg por dia. Até os remédios que encontramos nas farmácias desmentem essas necessidades. Quem quiser comprar uma vitamina E isolada, nunca encontrará nas farmácias comprimidos com menos de 200mg, assim como também não encontrará comprimidos de Vitamina C que contenham menos de 500mg.

Sabemos hoje que a quantidade de vitaminas que conseguimos obter através da alimentação normal, não é capaz de nos proteger dos radicais livres. Além disso, uma alimentação bem equilibrada pode ser muito difícil nos dias de hoje: até 5 frutas por dia, 8 porções de vegetais, peixes com freqüência, leguminosas, cereais integrais, azeite,  orgânicos, não cozinhar demais os alimentos, mastigar bem e devagar....difícil não é?

Para completar a situação temos muitos agentes tóxicos para enfrentar, por isso precisamos de mais vitaminas e minerais. A vitamina C é um dos mais potentes antioxidantes que temos e é importantíssima para o bom funcionamento cerebral. Ela participa da produção de muitos neurotransmissores e ainda é essencial para melhorar a imunidade, função adrenal, além de proteger o colesterol "ruim" (LDL) da oxidação, impedindo a formação de placas de ateroma. A Vitamina E é outra que não pode faltar numa boa suplementação antioxidante e se sido largamente usada no Alzheimer, Parkinson, Doenças da Mama, Doenças do fígado.

Outra razão para a suplementação envolve a agronomia e geologia. O nosso solo já não é tão rico quanto o solo de antigamente, obviamente, como conseqüência, os alimentos não são tão nutritivos como eram antigamente. Além disso, cada região tem um padrão de solo, com excesso ou deficiência de minerais.
Sabemos que há uma diminuição significativa de minerais em alimentos vegetais decorrentes da exaustão do solo. Estudos mostram que, em um período de 4 anos houve uma diminuição do conteúdo de minerais no milho em uma mesma plantação no EUA, na ordem de 8-62%, dependendo do mineral. Contribui para o quadro de deficiência mineral nos alimentos, o uso de adubos que levam em conta apenas as necessidades das plantas, não considerando as necessidades humanas.

O excesso de agrotóxico encontrado na maioria dos alimentos, especialmente as frutas e vegetais, também diminuem o valor nutricional dos alimentos, além de ser prejudiciais ao nosso organismo. Existem inúmeros estudos mostrando os malefícios do consumo de produtos que contém agrotóxicos. Mais uma razão para a suplementação. A presença de contaminantes ambientais e metais tóxicos no nosso ambiente aumentam a demanda de vitaminas e minerais. Por exemplo, minerais tóxicos como o chumbo, alumínio e mercúrio, tendem não só a competir pelos sítios de absorção de alguns minerais essenciais mas também, depois de absorvidos, tendem a ocupar os sítios metabólicos das enzimas, comprometendo a função dos metais essenciais nestes sítios. O cádmio por exemplo agrava a deficiência de Zinco. O Chumbo diminui os níveis de Selênio. Os efeitos deletérios de muitos contaminantes ambientais, aumentam o consumo de vitaminas essenciais.

O refino dos alimentos também consiste num fator importante e que nos mostra a necessidade de suplementação. O refino determina uma perda considerável de nutrientes minerais. Arroz branco por exemplo: temos uma perda de 75% do conteúdo de cromo e zinco, 26% a 45% de manganês, cobalto e cobre. Açúcar refinado: são reduzidas as concentrações de Manganês, Zinco e Molibdênio.Farinha de trigo: Ferro 75%, Cobre 67%, Manganês 88%, Zinco 77%, Cobalto 67%, Molibdênio 48%, Cromo 40%, Selênio 15%.

Como já citado acima, vivemos em um mundo pró-oxidante, por conta do excesso de stress, poluição e a vida corrida, nosso organismo também não é mais o mesmo... nosso intestino e estômago estão em constante estado de desequilíbrio o que faz com que não digerimos e absorvemos completamente as vitaminas e minerais dos alimentos. Além disso, devido a maior produção de radicais livres, precisamos de mais antioxidantes. Não antioxidantes isolados, mas um conjunto de antioxidantes. A alimentação é uma opção, mas dificilmente alguém encontrará uma vasta variedade de alimentos descontaminados.

Alguns fatores diminuem a quantidade de minerais e vitaminas que absorvemos, o que nos mostra mais uma vez que a suplementação é imprescindível para aqueles que querem ter uma longevidade saudável.

A diminuição de produção de ácido clorídrico é um desses fatores, já que a produção de ácido clorídrico no estômago é crucial na preparação do alimento para a absorção de seus componentes nutricionais. A partir dos 35-40 anos, há uma diminuição natural de sua produção no organismo. Este fato determina um prejuízo tanto na ativação de sistemas enzimáticos, como na hidrólise de proteínas e na ionização de complexos metálicos. Este é um dos fatores determinante do aumento da prevalência de deficiência mineral nos indivíduos acima de 40 anos. Piora com o uso de anti-ácidos.

Há nos alimentos, substâncias que durante o processo digestivo reagem com minerais, impedindo sua absorção. Estas substâncias são chamadas de seqüestradoras. As mais comuns são:
  • Fitatos: encontrados principalmente em cereais e sementes
  • Fibras: encontradas nos cereais, leguminosas
  • Ácido oxálico: encontrado em vegetais, pode reduzir a absorção de cálcio e de outros minerais
  • Taninos: encontrados nos vegetais, sendo significativamente sua presença no café e no chá: possuem alta reatividade com ferro.
Para complicar a situação existe um fator inerente aos próprios minerais. Mesmo estando disponíveis para a absorção, os minerais competem entre si pelos sítios de absorção na membrana da mucosa intestinal. A competição entre o cálcio e o magnésio ou entre o zinco e o cobre é por vezes determinantes de deficiências importantes. Por exemplo: pequenas quantidades leite, da ordem de 50ml inibem a absorção do ferro do sulfato ferroso em até 90%.

Ainda temos a questão das perdas excessivas de minerais, mais uma vez, um fator que evidencia a necessidade de suplementação. As perdas excessivas ocorrem em várias circunstâncias, tanto pelo aumento da eliminação de líquidos orgânicos, através do suor, diarréia, sangramentos, como por perdas metabólicas importantes como ocorre no estresse (depleta magnésio, zinco, vitamina C). O aumento do consumo metabólico é também um fator de deficiência, exemplo: consumo de cobre e zinco nos processos inflamatórios, onde há uso deles através da enzima antioxidante: superóxido dismutase. O consumo de álcool leva a perdas importantes de: magnésio, zinco e potássio.

Pra finalizar, temos ainda um fator agravante, que é o uso de medicamentos ou drogas que inibem a absorção de minerais. Como já citado, os antiácidos neutralizam o ácido clorídrico e com isso não deixam que se absorvam alguns minerais. Pra agravar, alguns são à base de magnésio ou alumínio, o que gera competição pelos sítios.
  • Diuréticos e hipotensores: eliminam potássio e magnésio.
  • Laxantes: o aumento da motilidade intestinal e o aumento da perda de líquidos, aumentam a perda de potássio.
  • Anticoncepcionais: diminuem os níveis sanguíneos de ferro, zinco e ácido fólico.
  • Tabaco: demonstrou-se que os fumantes possuem baixos níveis de zinco, vitamina C e Selênio.
3) Durma sempre bem


Todo mundo já sentiu na pele os efeitos de uma noite mal dormida. O que poucos sabem é que as consequências de um sono ruim vão muito além do cansaço e da falta de disposição no dia seguinte.

É durante o como que nosso organismo regenera o DNA mitocondrial. Isso é muito importante. Por isso as pessoas que dormem mal têm uma probabilidade muito maior de desenvolver diversas patologias: Hipertensão, Diabetes, Doenças psiquiátricas, Doenças neurológicas e inclusive Obesidade.

Normalmente, oito horas de sono por dia são capazes de dar conta dessa regeneração orgânica de que tanto precisamos, mas há sempre quem precise de até mais horas, e deve-se respeitar as necessidades individuais de sono.

Aquela sesta de alguns minutos que muitas pessoas não dispensam depois do almoço, também parece ser uma pausa muito importante para otimizar o funcionamento cerebral.

Um dos fatores que fazem do sono da noite um grande regenerador do DNA mitocondrial, certamente é a liberação de melatonina pela glândula pineal. Realmente, não existe indutor de sono melhor que a melatonina. Baixando a temperatura corporal, esse hormônio provoca naturalmente o sono. Mas o melhor é que a melatonina pode realmente tornar o homem mais longevo e saudável (assim como o Resveratrol, encontrado na uva). O doutor Helion Póvoa com sua vasta experiência clínica, afirma comprovar esses benefícios com muita facilidade na clínica, mas há ainda muitas experiências com animais que demonstram a incrível capacidade antioxidante da melatonina.

O cientista italiano Maestrono realizou em 1985 uma pesquisa interessante dando melatonina para ratos de 19 meses, o que corresponde cronologicamente a um homem de 60 anos. Todos foram expostos à mesma dieta, em condições ambientais semelhantes, mas apenas a metade do grupo recebeu a noite melatonina na água para beber. O resultado foi uma diferença muito acentuada entre os dois grupos. Os que beberam água simples apresentaram os sinais clássicos do envelhecimento na pele, na postura e no peso, que diminuiu. Já os ratos que beberam água com melatonina mantiveram o seu aspecto sem sinais de envelhecimento. Além disso, o segundo grupo viveu mais um ano e sete meses, enquanto o primeiro grupo viveu mais seis meses.
Já existem estudos comprovando a relação entre a serotonina (que é um dos precursores da melatonina) e a própria melatonina. Acredita-se que quem produz muita melatonina à noite, também produzirá mais serotonina e liberará mais hormônio do crescimento.

Como a melatonina é produzida durante a noite, sob o efeito do escuro, não se deve dormir com as luzes acesas, para que ela possa ser produzida e liberada em quantidade suficiente. Já durante o dia, o ideal é que a secreção de melatonina seja zero. A exposição à luz solar por pelo menos uma hora também ajuda a estimular a produção de melatonina. Nos países nórdicos, onde há pouca luz solar, é muitíssimo comum que as pessoas apresentam distúrbios por causa da liberação de melatonina durante o dia. Muitas se sentem cansadas, outras chegam a ter depressão mesmo, que é a chamada depressão sazonal. Para resolver o problema, os habitantes desses países, dispõem de clínicas onde são submetidos a uma luz artificial, simulando a luz solar.

DURMA pra ACORDAR. Desligue todas as bugigangas eletrônicas do teu quarto. Até das tomadas. A Pineal precisa de um campo eletromagnético limpo pra produzir a Melatonina. Todo o seu ritmo biológico está ligado a ela. Chegue o mais perto possível do velho ditado: "Acorde com o galo e durma com as galinhas”.

4) Cuidando do intestino

O intestino é nosso segundo cérebro e segundo dos chineses, a maioria das doenças começa no intestino. O Dr. Hélion Póvoa fala muito sobre o tema no livro: "O cérebro desconhecido".

Os lactobacilos que vivem no nosso intestino realizam um trabalho fabuloso. Simplesmente todas as vitaminas do complexo B e ainda a Vitamina K podem ser sintetizadas por eles, além de muitas proteínas. Acredita-se que alguns lactobacilos tenham o poder de fabricar uma substância de ação semelhante aos antibióticos, a acidofilina. É também a nossa flora intestinal que mantém sob controle os germes patogênicos que temos no intestino.

Elie Metchnikoff, um famoso biólogo russo, contemporâneo de Pasteur, já havia se dado conta da importância dos habitantes da nossa flora intestinal, observando que alguns povos da Bulgária, viviam mais tempo do que outros justamente porque tomavam muito iogurte, alimento riquíssimo em lactobacilos.

Por tudo isso, o Dr. Hélion Póvoa, acredita que ainda não se valoriza tanto a flora intestinal. Ele afirma que procura corrigir essa injustiça recomendando lactobacilos a todos os seus pacientes (inspirado nele, desde o começo do meu consultório adotei tal prática, como diz o Dr. Edison Saraiva, " a Saúde começa no coco"). E podem acreditar, precisamos muito desses seres microscópicos. Prova disso é a frequência com que o Dr. Póvoa percebe nos seus pacientes um problema chamado Disbiose intestinal, que é a perda do equilíbrio da flora intestinal normal (o tema já foi abordado aqui, pelo Dr. Telmo Diniz). http://ligadasaude.blogspot.com/2011/06/disbiose-intestinal-talvez-voce-tenha-e.html

O organismo com disbiose reage com diarréias, gases e dores abdominais. Com a flora desequilibrada, a absorção de nutrientes é prejudicada, o que pode provocar, por exemplo falta de cálcio e osteoporose.
A disbiose normalmente não é de tratamento complicado. Muitas vezes apenas prebióticos (o alimento pra essas bactérias boas) e os lactobacilos já são capazes de rever o problema. No entanto quando a permeabilidade intestinal está aumentada e as toxinas encontram um caminho livre, podem acontecer tanto problemas causados diretamente por infecção como problemas ligados à auto-agressão.
Além dos lactobacilos, as fibras ajudam muito a recompor o intestino, principalmente na vigência de disbiose.

A quercetina, um flavonóide, é outra substância útil para o intestino, pois além de ser um ótimo antioxidante, ajuda a inibir a ação da histamina (substância muito produzida nos quadros alérgicos) e por isso tem sido utilizada como agente terapêutico nas alergias alimentares.

5) Exercite-se sempre

Outro aspecto importante para reformular o estilo de vida e prevenir o envelhecimento é fazer uma atividade física. Os exercícios são muito úteis para oxigenação corporal, mas antes de começar, é fundamental uma consulta médica para avaliar as funções cardíacas e o estado geral. Além de receber orientação sobre o tipo de exercício mais apropriado. Teoricamente deveria ser assim. Beneficiando o corpo com os exercícios, na verdade estamos beneficiando também o cérebro, melhorando a sua oxigenação e prevenindo as doenças neurodegenerativas.

Fazendo exercícios, aumentamos a liberação do NGF, o fator de crescimento neuronal, importantíssimo para o cérebro. Quanto o NGF não é estimulando, a tendência é que milhares e milhares de neurônios se percam.

Há uma essencial diferença entre atividade física e exercício físico. É fácil multiplicar a primeira. Por exemplo, quando for visitar um amigo não pare o carro embaixo do bloco dele. Pare o carro a 200mts. Se ele mora no 5º andar, vá até o sexto e desça as escadas. Ou vá até o terceiro e suba. O melhor termômetro pra saber se abusou é a sua voz. Se chegares lá e ao falar ofegares, te excedestes. Outra medida exponencial: a cada toque no controle remoto, uma levantada do sofá pra mudar o canal. Ganhará dois presente. Primeiro, queimará mais calorias. Segundo, verá menos TV. Um dos maiores pesquisadores de obesidade do planeta, Dr. Benett da Universidade Cornell, tem uma frase  interessante "Comprei um carro e em cinco anos engordei 12 kgs".

É muito importante procurar manter-se ativo, intelectualmente também. Deve-se ler, estudar, procurar áreas de interesse para estimular o pensamento e resistir sempre ao preguiçoso convite da poltrona e da tv. Quem se entrega apenas a esses prazeres, corre mais risco de desenvolver doenças como Alzheimer e Parkinson.

Exercitar o cérebro, no entanto, não significa enchê-lo de estímulos. Ao contrário, devemos ter muito cuidado com o excesso de informações a que estamos submetidos atualmente.

Muitas vezes, nem nos damos conta do mal que faz para a mente a televisão ligado o dia inteiro, o excesso de Outdoors nas ruas, o som ambiente do shopping, as informações sempre pessimistas das revistas semanais. Não se trata de optar pela alienação, mas de tratar o cérebro com carinho, preservando-o de estímulos excessivos que só fazem mal.

Quem o ocupa o tempo com a TV poderia ocupá-lo com práticas muito mais saudáveis, como uma boa caminhada. Outra excelente recomendação do Dr. Hélion Póvoa, para substituir as atividades passivas é a meditação, um excelente aliado da longevidade, que não requer nada mais do que alguma disciplina e um local tranquilo para a prática. Meditar é diminuir o estresse e viver com mais harmonia.

É preciso nutrir a mente também. Um cérebro pobre em antioxidantes é um cérebro fragilizado, mais sujeito ao estresse oxidativo e às doenças neurodegenerativas (e esse tema já foi abordado aqui, pela Dra. Cristiane Spricigo).

Para que isso não não ocorra, além de uma alimentação equilibrada sob a supervisão de uma nutricionista, é preciso otimizar a atividade cerebral por meio de uma reposição de nutrientes bem equilibrados. A ortomolecular trabalha bem essa parte, ao utilizar as Smart Drugs (drogas inteligentes, substâncias que atuam no metabolismo cerebral e garantem a atividade elétrica do cérebro, beneficiando a memória e a inteligência). http://ligadasaude.blogspot.com/2011/06/lembre-se-de-alimentar-seu-cerebro-e.html e http://ligadasaude.blogspot.com/2011/08/alzheimer-complementos-para-um-cerebro.html

Como se sabe muito mais hoje a respeito das substâncias que participam da função nervosa, não há porque deixar de utilizá-las nos casos onde já se percebe uma forte e nociva atuação dos radicais livres e ainda quando se quer evitar que isso aconteça.

Considerações finais

A maioria das dicas acima estão no livro A chave da Longevidade, escrito pelo Dr. Hélion Póvoa em 1999, ou seja, há 12 anos. Algumas recebi anos atrás do meu orientador. Volto portanto ao começo do post, no qual falei sobre os estágios da verdade.

Quem falaria de benefícios de lactobacilos há 12 anos ? Hoje já se fala até em transplante fecal pra tratamento da obesidade.

Quem falaria de efeitos sobre o metabolismo decorrente da intoxicação por contaminantes ambientais, há 12 anos? Hoje já se fala em causas não-convencionais da Obesidade.

Minerais tratando múltiplas patologias, vitaminas outras tantas... antioxidantes prevenindo progressão de doenças que há 12 anos eram tidas como "sem solução".

Bibliografia

  1. Minha prática clínica com exercício de estratégia ortomolecular, medicina tradicional chinesa e Ecologia médica.
  2. Ensinamentos do Dr. Edison Saraiva Neves.
  3. PÓVOA, Helion. A chave da longevidade: novos tratamentos para a prevenção de doenças. Rio de Janeiro, Objetiva. 1999.
  4. Posts da liga da saúde http://www.ligadasaude.blogspot.com/
  5. Posts do meu blog: http://www.ecologiamedica.net/

Autor: Dr. Frederico Lobo - http://www.ecologiamedica.net/ 

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …