Pular para o conteúdo principal

DIETA LOW CARD : TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER ANTES DE CORTAR O CARBOIDRATO

Dieta low carb: o que você precisa saber antes de adotar (Foto: Thinkstock)

Dieta low carb: tudo o que você precisa saber antes de cortar o carboidrato

Emagrecer cortando nutrientes importantes

10/10/2016 - 06h00 por LIVIA VALIM

Quem tá na casa dos 30 deve se lembrar da febre que foi nos anos 90 a dieta sem carboidrato. Ela prometia perder quilos e mais quilos comendo coisas gostosas (e cheias de gordura). De lá pra cá, diminuir o consumo de carboidrato continua sendo uma das saídas preferidas por quem quer perder peso em pouco tempo. “Ela funciona em um primeiro momento, pois se acredita que esse tipo de dieta possui uma vantagem metabólica: ela aumenta o gasto energético, consequentemente aumenta a perda de peso”, explica a nutricionista funcional e esteticista Sheila Mustafá.

Dieta atual

Como não é só de corpo magro que vivemos, hoje se dá atenção também à saúde, por isso a recomendação é cortar o carboidrato refinado, comer pouco carboidrato complexo, investir em frutas com baixo índice glicêmico e se limitar às gorduras de boa qualidade. Assim, dá pra perder peso e se manter saudável, sim. “É aconselhável seguir a dieta desta forma por pouco tempo, de 15 a 30 dias. Depois, é possível voltar para uma alimentação equilibrada, que dá melhores resultados duradouros”, ensina Sheila.

Quer começar já a dieta low carb do bem? Retire tudo o que é carboidrato refinado (o que leva farinha branca, principalmente), insira os complexos (os integrais), consuma diariamente frutas, verduras e legumes naturais, como inhame, cará e mandioca, e substitua a gordura saturada pela vegetal e animal, como peixe, ovos, frango, carnes magras, azeite, óleo de coco e oleaginosas. Fique longe de embutidos, doces e industrializados.

Claro que cada pessoa tem uma reação diferente a cada tipo de alimento, então o que funciona para a maioria pode não funcionar pra você. Nesse caso, o ideal é procurar um profissional pra descobrir exatamente o que está pegando que não te deixa emagrecer.

Desvantagens

Ao evitar o carboidrato, a gente entra em um estado chamado cetose: quando acaba a gordura consumida, o organismo passa a usar a gordura corporal como combustível. Esse estado leva a alterações neurológicas, causando irritação, ansiedade, alterações intestinais e mal estar. Por isso, não é recomendado prolongar o tempo da dieta. Tem mais um probleminha chato, o mau hálito. Na falta de carboidrato, o corpo acumula muitas substâncias tóxicas e altera o intestino. O bolo fecal entra em putrefação, levando à halitose.


Precisamos falar sobre o glúten

Como essa proteína está presente na maioria dos alimentos ricos em carboidrato e não se fala em outra coisa no mundo das dietas, é importante lembrar que nem todo mundo é sensível ao glúten. Só analisando cuidadosamente cada pessoa dá pra saber se cortá-lo da dieta vai trazer algum benefício. “Quem é sensível ao glúten, se retirá-lo da dieta, vai emagrecer rapidamente, pois o metabolismo acelera, melhora a absorção intestinal dos nutrientes, a digestão e diminui o inchaço”, explica a nutricionista.


Fonte:http://revistaglamour.globo.com/Beleza/Fitness-e-dieta/noticia/2016/10/dieta-low-carb-tudo-o-que-voce-precisa-saber-antes-de-cortar-o-carboidrato.html

Dieta low carb: o que você precisa saber antes de adotar (Foto: Thinkstock)

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …