Pular para o conteúdo principal

DIETA VEGETARIANA : DEZ DICAS PARA QUEM QUER PARAR DE COMER CARNE

Dieta vegetariana: como aderir (Foto: Ellen von Unwerth/ Arquivo Vogue)

Dieta vegetariana: 10 dicas para quem quer parar de comer carne

Quer seja por motivos de saúde ou por valores pessoais, muitas pessoas têm adotado a dieta vegetariana e abdicado do consumo de carnes. Embora a opção seja, em geral, bastante saudável, é preciso tomar alguns cuidados com a nutrição para evitar carências nutricionais e abuso de alimentos hipercalóricos – o macarrão pode parecer seu melhor amigo nesta nova fase, mas vá com calma! 

Patricia Davidson, responsável pela dieta de Bruna Marquezine, dá 10 dicas para quem quer aderir ao vegetarianismo

01/10/2016 - 09h01 - Atualizado 09h01 por ANITA PORFIRIO

Para ajudar na transição, convocamos a nutricionista Patricia Davidson, responsável pela dieta de Bruna Marquezine, que recentemente deixou de consumir carne. À Vogue, ela separou dez dicas para quem está começando a mudar de hábitos.

1. Faça exames de sangue. Às vezes é necessário organizar alguns parâmetros bioquímicos antes de cortar a proteína animal de forma brusca, ou pelo contrário, seus exames podem demonstrar que esse é o momento certo.

2. Procure um profissional capacitado para te ajudar a fazer a transição de forma equilibrada e saudável, respeitando seu momento orgânico e incluindo alimentos e suplementos que forem necessários.

3. Vá para a cozinha, o vegetarianismo defende o maior contato com a comida. Não busque alternativas práticas, invista em receitas alternativas e trabalhe as opções de acordo com seu paladar.

4. A dieta vegetariana não é uma dieta de emagrecimento. Muitas pessoas podem errar a mão na quantidade e acabar ganhando peso, até porque reduz-se a proporção de proteína e aumenta-se a de carboidrato. Por isso buscar alimentos de mais baixo índice glicêmico e com maior teor de proteína vegetal é importante para controlar o peso.

5. Dieta vegetariana não deve ser rica em queijos. Muitos clientes vegetarianos chegam comendo muitos derivados de lácteos. Além da produção láctea ser também uma forma de sofrimento animal, os laticínios podem ter altos teores de metais e podem promover o aumento de insulina no corpo, contribuindo para o ganho de gordura abdominal e o inchaço.

6. Varie os alimentos. Como o nome diz, a dieta é vegetariana, ou seja, baseada em vegetais. Quanto maior a diversidade, melhor o aporte de nutrientes. Na natureza podemos encontrar alimentos ricos em cálcio, ferro, proteína... E pela alimentação ter uma característica mais alcalina, esses nutrientes acabam sendo melhor aproveitados por organismo.

7. Acrescente uma fonte de vitamina C (ex: suco de limão) às refeições, pois isso ajuda a otimização da absorção do ferro de origem vegetal.

8. Cuide da sua saúde intestinal. Um intestino saudável é fundamental para metabolizar e aproveitar os nutrientes provenientes dos alimentos da melhor forma possível.

9. Não troque a carne animal por outro alimento, como um escape. É muito comum encontrar vegetarianos viciados em doce ou carboidratos. Construa uma alimentação saudável, sem vícios.

10. Fale com seus amigos e familiares. Quando expomos nossos objetivos e desejos, fica mais fácil levar o comprometimento adiante, assim eles não vão ficar te oferecendo carne vermelha no churrasco, por exemplo.

Fonte:http://vogue.globo.com/beleza/fitness-e-dieta/noticia/2016/10/dieta-vegetariana-10-dicas-para-quem-quer-parar-de-comer-carne.html

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …