Pular para o conteúdo principal

TESTE DE QUALIDADE REPROVA 8 MARCAS DE AZEITE VENDIDAS NO BRASIL

Azeite de oliva. Imagem ilustrativa. Foto: Visual Hunt/Reprodução
Azeite de oliva. Imagem ilustrativa. Foto: Visual Hunt/Reprodução
Teste de qualidade reprova 8 marcas de azeite vendidas no Brasil 
por Gazeta do Povo 

A associação de defesa do consumidor Proteste testou em laboratório 20 marcas que se dizem extravirgem; 40% delas foram reprovadas por trazer informações inverídicas no rótulo
Será que o azeite extravirgem que você compra no mercado é realmente extravirgem como informado no rótulo? Um teste de laboratório realizado pela associação de defesa dos consumidores Proteste com 20 marcas de azeite (nacionais e estrangeiras) vendidas no Brasil revelou que em 40% dos casos o rótulo traz informações inverídicas sobre o produto.
Foram reprovadas no teste por não poderem ser considerados azeite de oliva as marcas Pramesa, Figueira da Foz, Tradição e Quinta d’Aldeia – em teste anterior da associação em 2013, as três últimas também foram desclassificadas. Já as marcas Qualitá, Beirão, Carrefour Discount e Filippo Berio são azeite de oliva, mas não podem ser considerados extravirgem.
Marcas reprovadas no teste da Proteste. Foto: Proteste/Reprodução
Marcas reprovadas no teste da Proteste: Pramesa, Figueira da Foz e Tradição. Foto: Proteste/Reprodução
O teste em laboratório averiguou se há impurezas, umidade, presença de metais, outros óleos que não sejam de oliva, entre outros critérios. Segundo a associação,nem todas as informações que estão na embalagem são confiáveis: o azeite de oliva, por exemplo, é um dos produtos difíceis de serem avaliados antes de provar.
Dos oito azeites reprovados, cinco são virgens, e não extravirgens, como diz o rótulo. Foto: Proteste/Reprodução
Dos oito azeites reprovados, cinco são virgens, e não extravirgens, como diz o rótulo. Foto: Proteste/Reprodução
No teste sensorial e de laboratório, as marcas aprovadas foram Cocinero, Olive, Cardeal, Gallo, La Española, Borges, Serrata, Taeq, La Violetera, Andorinha, Selmi Renata Superiore, Carbonell. A Cocinero, importada da Argentina e distribuída no Brasil pela Bunge Alimentos, foi considerada a melhor em custo benefício.
Na avaliação da Proteste, houve uma mudança positiva nas opções de mercado: as marcas La Española, Carbonell, Serrata, Gallo e Borges, considerados virgens no teste de 2013, foram comprovados como extra-virgem na edição de 2016.
A defesa
Grupo Pão de Açúcar, que produz o azeite Qualitá afirmou em nota que “o produto é importado e que o fornecedor cumpre com todas as especificações legais e de qualidade necessários para a comprovação da pureza do produto” de acordo com a resolução normativa do Ministério da Agricultura (nº 1 de 30 de janeiro de 2012). O Grupo afirma, ainda, que a partir de setembro de 2016 muda as embalagens para verde escura.
Dolagar, empresa responsável pelo azeite Figueira da Foz, disse em nota que “não há clareza sobre os métodos e metodologias e eventual interesse provado que motiva” a Proteste. Queixa-se que não foram notificados sobre a análise e que não sabem quais foram os lotes periciados.
Mesma questão foi posta em nota oficial pelo grupo Carrefour, que produz o Carrefour Discount. A empresa também afirma em nota que seus fornecedores são auditados anualmente e que a última análise foi em 29 de janeiro de 2016, quando os “testes laboratoriais comprovaram que o lote da marca própria era extravirgem, resultado este diferente portanto do apresentado pela Proteste”.
O Bom Gourmet entrou em contato as empresas que produzem ou distribuem os azeites Pramesa, Tradição, Quinta d’Aldeia, Beirão e Filippo Berio, mas não obteve retorno até o fechamento desta matéria.
Fonte:http://www.gazetadopovo.com.br/bomgourmet/teste-de-qualidade-reprova-8-marcas-de-azeite-vendidas-no-brasil/?ref=yfp

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …