Pular para o conteúdo principal

ALIMENTAÇÃO INFANTIL : 7 A 10 ANOS





7.NOV
Resultado de imagem para ALIMENTAÇÃO INFANTIL: 7 A 10 ANOS

ALIMENTAÇÃO INFANTIL: 7 A 10 ANOS


Essa fase começa aos 7 anos e termina com o início da puberdade. É quando a criança muda o relacionamento com o alimento, o qual passa a ter mais importância. O ambiente não tem tantas novidades e ela já convive mais com outras crianças, inclusive com brincadeiras que exigem maior gasto energético.
A maioria dos dentes permanentes aparece nesse período, visto que os “dentes de leite” começam a cair por volta dos 6 anos. Portanto, torna-se fundamental um plano alimentar adequado (rico em fibras e pobre em açúcares simples) e a correta higienização da boca.
É fato comprovado que o rendimento escolar tem relação direta com a alimentação da criança. Crianças desnutridas são indispostas, desatentas e apresentam maiores dificuldades de aprendizado.

Necessidades nutricionais

Como em outras fases da vida, um padrão alimentar equilibrado e adequado às necessidades da criança em idade escolar, compreenderá uma distribuição, em termos de aporte energético, de acordo com as regras da alimentação saudável. Nesse sentido, a alimentação da criança deve ser variada e integrar alimentos que proporcionem os nutrientes necessários em proporção e quantidade adequadas.
Outro aspecto importante na alimentação da criança, diz respeito à qualidade das gorduras consumidas. Até o segundo ano de vida, não é aconselhável o consumo de gorduras saturadas e trans (gordura encontrada em maior quantidade em alimentos de origem animal e industrializados, como salgadinhos, bolachas recheadas, sorvetes, produtos congelados); na idade entre 2 a 10 anos, recomenda-se que o consumo desses nutrientes seja restrito, a fim de evitar que, no futuro, o indivíduo possa apresentar problemas relacionados à saúde cardiovascular.
As necessidades de energia, proteínas, vitaminas e minerais podem ser supridas por meio da ingestão de alimentos dos grupos nas quantidades e proporções adequadas, conforme mostra a tabela abaixo:

Grupos alimentares
Porção recomendada/dia
Nível 1
Cereais, pães integrais, tubérculos e raízes
6
Nível 2
Verduras e legumes
4
Frutas
4
Nível 3
Leguminosas
2
Castanhas, tofu, leite de castanhas, quinoa, etc…
4
Nível 4
Óleos e gorduras
1
Nível 5
Açúcares e doces (de preferência natural)
2

Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria, p.120 – ADAPTADO
A variedade na alimentação é a melhor regra para garantir que as necessidades de micronutrientes sejam satisfeitas.Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria, p.120 – ADAPTADO

Os micronutrientes de maior importância nessa fase são o cálcio, a vitamina C, o ferro e o zinco, que estão diretamente relacionados ao crescimento e ao desenvolvimento. São utilizadas recomendações da DRI – Dietary Reference Intakes (ingestão dietética de referência)
  • Cálcio: 800mg/dia
  • Vitamina C: 25mg/dia
  • Ferro: 10mg/dia
  • Zinco: 5mg/dia
Quanto às fibras, a recomendação do consumo diário é de 25 a 31 gramas. (SBP, 2008; ADA, 2008). É válido ressaltar também que o prato principal deve ser acompanhado com um pouco de legumes, leguminosas ou salada, e deve-se dar preferência a frutas como sobremesa.
Mais uma vez, sublinha-se a importância da variedade na escolha de legumes, leguminosas, hortaliças e frutas.
Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria
Curso Didático de Nutrição, Volume 1 – pag. 189

Lista de Substituições
Grupo A (Reguladores) ~ 5 Calorias
Alimento
Medida
Alimento
Medida
Alface
1 prato de sobremesa
Pimentão
1 unidade pequena
Agrião
1 prato de sobremesa
Escarola
1 prato de mesa
Aspargo
1 prato sobremesa
Pepino
1 unidade médio
Beterraba
1/2 unidade
Rabanete
5 unidade médio
Couve
1 pires de chá
Repolho
1 prato sobremesa
Cebola
½ unidade
Rúcula
1 prato de mesa
Cenoura
½ unidade
Tomate
2 unidade Pequena
Grupo B (Energéticos) ~ 150 Calorias
Alimento
Medida
Alimento
Medida
Arroz
4 colheres (sopa)
Macarrão
1 Pegador M
Batata inglesa
2 unidades médias
Mandioca
2 pedaços pequenos
Batata doce
1 unidade média
Mandioquinha
2 unidades pequenas
Canjica
5 Colheres (sopa)
Milho
1 espiga média
Farinha
3 colheres (sopa)
Polenta
6 colheres de sopa
Grupo C (Reguladores) ~ 30 Calorias
Alimento
Medida
Alimento
Medida
Abóbora
3 colheres (sopa)
Brócolis
3 colheres (sopa)
Abobrinha
3 colheres (sopa)
Palmito
3 colheres (sopa)
Alho poró
3 colheres (sopa)
Pimentão
3 colheres (sopa)
Beterraba
3 colheres (sopa)
Couve refogada
3 colheres (sopa)
Cenoura
3 colheres (sopa)
Quiabo
3 colheres (sopa)
Chuchu
3 colheres (sopa)
Vagem
3 colheres (sopa)
Couve flor
3 colheres (sopa)
Espinafre
3 colheres (sopa)
Berinjela
3 colheres (sopa)
Grupo D (Construtores) ~ 80 Calorias
Alimento
Medida
Alimento
Medida
Ervilha
4 colheres (sopa)
Grão de bico
4 colheres (sopa)
Feijões
4 colheres (sopa)
Lentilha
4 colheres (sopa)
Soja
4 colheres (sopa)
Fava / Tremoço
4 colheres (sopa)
Grupo E (Construtores) ~ 100 Calorias
Alimento
Medida
Alimento
Medida
Bife vegetal
1 bife pequeno
Hambúrguer vegetal
1 unidade
Nuggets vegetal
2 unidades
Salsicha vegetal
1 unidade
Proteína vegetal-PTS
2 colheres (sopa)
Kibe vegetal assado
1 fatia média
Almôndega vegetal
2 unidades
Feijoada vegetariana
1 concha média
Strogonoff veg.
1 concha média
Grupo F (Energéticos) ~ 70 Calorias
Alimento
Medida
Alimento
Medida
Bolacha integral
3 unidades
Granola
2 Colheres de sopa
Biscoito integral
20g
Torrada integral
1 fatia
Aveia
2 Colheres de sopa
Corn Flakes
30g (3/4 de Xíc.)
Barra de cereais
1 unidade
Pipoca
30g (2 xícaras)
Grupo G (Reguladores) ~80 Calorias
Alimento
Medida
Alimento
Medida
Abacate
1 colher cheia (sopa)
Maçã
1 unidade Médio
Abacaxi
1 fatia média
Mamão
1 fatia médio
Ameixa verm.
2 unidades Médio
Maracujá
1 unidade grande
Banana-maçã
1 unidade Médio
Melancia
1 fatia grande
Banana-nanica
1 unidade Pequeno
Melão
1 fatia grande
Caqui
1 unidade pequena
Fruta do Conde
1 unidade pequena
Caju
2 unidades Médio
Morango
8 unidades
Figo
1 unidade Médio
Pêra
1 unidade Médio
Goiaba
1 unidade Pequena
Pêssego
2 unidades Médio
Jabuticaba
10 unidades
Tangerina
1 unidade Médio
Kiwi
1 unidade média
Uva
12 unidades
Laranja
1 unidade Médio
Nectarina
2 unidades Médio
Grupo H (Construtores) ~100 Calorias
Alimento
Medida
Alimento
Medida
Coalhada
1 copo (200 ml)
Leite de soja
1 copo (200 ml)
Iogurte natural
1 copo (200 ml)
Leite de Castanhas
½ xícara (100 ml)
Grupo I (Energéticos) ~ 50 Calorias
Alimento
Medida
Alimento
Medida
Mel de abelhas
1 colher (sopa rasa)
Patê de legumes
1 colher (sopa rasa)
Creme de amendoim
1 colher (sopa rasa)
Geléia de Frutas
1 colher (sopa rasa)
Patê de soja
1 colher (sopa rasa)
Tofú
1 fatia média
Grupo J (Construtores) ~ 70 Calorias
Alimento
Medida
Alimento
Medida
Castanha do Pará
3 unidades
Amendoim
15 unidades
Castanha de Caju
6 unidades
Nozes
2 unidades
Amêndoas
10 unidades
Pistache
6 unidades
Avelãs
10 unidades
Sementes: Abóbora
1 colher sopa
Gergelim
1 colher de sopa
Girassol, Linhaça

 

  • Adriana Boganha é nutricionista e mestra em Educação em Saúde.
  • Nutricionista ambulatorial do Hospital Adventista de São Paulo.
  • Docente do Curso Técnico em Nutrição e Dietética do Colégio Adventista de Granja Viana e da Escola de Educação Permanente HC – Faculdade de Medicina da USP.
  • https://www.facebook.com/nutricionistaadrianaboganha/?fref=ts

 Fonte:http://viverdeque.com.br/alimentacao-infantil-7-a-10-anos/

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …